“Presunção de Lula”: se for Lula o paciente, a PF não solta de maneira alguma

Brazil Da Silva

Neste domingo (08-07), o Poder Judiciário brasileiro protagonizou uma demonstração de falência total das instituições jurídicas no País.

O desembargador federal Rogério Favretto, que estava de plantão no TRF-4 (Tribunal Regional Federal) concedeu liminar pela soltura do ex- presidente Luís Inácio Lula da Silva, da cadeia da Polícia federal de Curitiba, com o devido fundamento de que Lula, por ser pré-candidato à presidência da República nas eleições de 2018, não poderia ficar preso, já que não há trânsito em julgado e estaria sendo prejudicado para fazer sua campanha eleitoral; o que poderia provocar um dano irreparável e em aberta violação ao que estabelece a Constituição Federal.

No entanto, os golpistas da operação Lava Jato, Sérgio Moro e o desembargador  João Pedro Gebran (que comandou a operação fraudulenta que aumentou a pena de Lula), que estavam de férias, foram convocados pelos delegados da Polícia Federal, pela Rede Globo e demais golpistas para impedir que a decisão de Rogério Favretto fosse cumprida e que se libertasse Lula.

A movimentação contra a liberdade de Lula pelos golpistas, começou com um ato criminoso pelo juízeco Sérgio Moro que de uma praia de Portugal, ordenou que os policiais federais não acatassem a ordem judicial dada pelo desembargador Rogério Favretto, alegando que ele seria incompetente.

Um absurdo jurídico em qualquer parte do mundo, um juiz de primeiro grau dizer que um desembargador não tem competência para dar uma liminar de soltura de um preso. o que renderia prisão imediata do juiz de primeiro grau que descumpre a ordem judicial.

Na sequência, os golpistas do TRF4 que deram a sentença fraudulenta da prisão de Lula,  como o desembargador João Pedro Gebran despachar, também de alguma praia, contra a liminar do desembargador Favretto, com o argumento político de que não se pode dar uma liminar dessa magnitude para um preso do tamanho político de Lula, ou seja, Lula não tem os mesmos direitos de qualquer preso no país.

Segundo o desembargador  golpista  João Pedro Gebran, Lula não tem presunção de inocência, conforme garante a Constituição Federal brasileira de 1988, Lula está submetido pelas leis criminosas da operação golpista da Lava Jato, que estabeleceu a Lula da forma mais fascista possível de que o ex–presidente têm a presunção de culpabilidade, mesmo que não exista provas contra ele.

Após João Pedro Gebran se manifestar contra a liberdade de Lula, foi a vez do presidente do TRF-4, declarar-se contra a liminar do desembargador de plantão, Favretto, cancelando seu plantão.

Se não bastasse a lambança que todos os golpistas da Operação Lava Jato fizeram contra a liminar de soltura de Lula, o desembargador Favetto ainda sofreu ameaças das Forças Armadas.

No final do dia, a liminar foi rasgada pelos golpistas, a polícia federal de Curitiba só respeita ordens de quem é golpista e Lula não foi solto, continuando preso de forma ilegal, por motivos políticos na masmorra da operação Lava Jato por mais de 90 dias.

Diante disso, mais uma vez ficou evidente que somente através da mobilização de rua é possível tirar Lula da cadeia, os golpistas já deram a ordem, Lula não tem direito algum, e ficará preso até eles quiserem.