Ásia Central
País vive crise política intensa com suspeitas de envolvimento do imperialismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
48220879591_fd004ece3a_k
Denúncias dizem que houve uma "revolução colorida" no país | Foto: Kalpak Travel www.kalpak-travel.com/
O presidente quirguiz Sooranbai Zheenbekov anunciou hoje sua decisão de renunciar, em meio à crise política gerada pelos motins da oposição, após as eleições parlamentares de 10 dias atrás.

 

‘Eu não me agarro ao poder. Eu não quero aparecer na história do Quirguistão como um presidente que derramou sangue e matou seus próprios cidadãos’, disse Zheenbekov em um discurso público.

O presidente demissionário pediu ao novo primeiro-ministro Sadir Zhaparov e outros líderes que retirassem seus apoiadores desta capital e retornassem à vida pacífica. Nenhum poder político está acima da integridade do Estado e do consenso da sociedade, disse ele.

Zhaparov já exigiu a demissão do chefe de Estado anterior, o único alto funcionário que permaneceu no cargo após a demissão do presidente do parlamento, do primeiro-ministro e do prefeito da capital, sob a pressão de protestos violentos nesta cidade.

O Parlamento, onde a legislatura está sentada antes das eleições do último dia 4, alcançou o quorum necessário de 61 dos 120 deputados para aprovar a candidatura de Zhaparov como novo chefe de governo, após duas tentativas fracassadas de votação.

Durante as manifestações, o agora Primeiro Ministro foi libertado da prisão, onde cumpria uma pena desde 2013 por incitar a desordem em uma província do Quirguistão e sequestrar seu governador.

Na ocasião, Zheenbekov, contra quem a oposição ameaçou iniciar um processo de impeachment, reconheceu que poderia deixar a presidência, se houvesse um processo legal de seleção de funcionários para altos cargos públicos.

Após as eleições parlamentares, apenas quatro dos 16 partidos participantes conseguiram ultrapassar o limite mínimo de sete por cento necessário para entrar na legislatura. Os outros 12 grupos políticos convocaram protestos nesta cidade e em outras cidades do país.

Nestes tumultos, que deixaram quase mil feridos e pelo menos um morto, o edifício do parlamento foi parcialmente incendiado, enquanto grupos violentos bloquearam os escritórios de empresas como a produtora de carvão, responsável pelo fornecimento de energia em Bishkek.

Um toque de recolher foi imposto em Bishkek na terça-feira, das 22h às 5h, horário local. Além disso, várias pessoas suspeitas de organizar protestos violentos foram presas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas