41 anos da Revolução Iraniana
Hassan Rouhani lembrou que o imperialismo quer que o Irã volte ao regime reacionário e fantoche que vigorou entre 1953 e 1979
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Hassan Rouhani, President of the Islamic Republic of Iran, addresses the general debate of the General Assembly?s seventieth session.
Hassan Rouhani, presidente do Irã. Foto: Loey Felipe/Nações Unidas |
Teerã, 11 fev (Prensa Latina) O presidente do Irã, Hassan Rouhani, chamou hoje à unidade nacional, ao estimá-la como forma exclusiva de derrotar os Estados Unidos e conseguir crescimento econômico.
Durante um discurso pelo 41º aniversário do triunfo sobre as forças retrógradas apoiadas por Washington e Londres, o chefe de Estado disse que o caminho da revolução islâmica quem escolheu foi o povo iraniano.

Os Estados Unidos não puderam e nem podem suportar essa eleição, daí que, se estamos unidos, o derrotaremos e florescerá a economia nacional, assegurou.

Rouhani referiu-se ao general Qassem Soleimani, assassinado pelo Pentágono em janeiro último, a quem considerou um profissional no campo de batalha e um diplomata de alta faixa nas negociações.

A Casa Branca eliminou-o em caminho a conversas com o premiê iraquiano, não no campo de batalha, apontou.

Ele não procurava a guerra nem a instabilidade regional. Estados Unidos e Israel mentem sobre Soleimani, assegurou, pois ao contribuir à eliminação de grupos terroristas seu seguinte passo era consolidar a segurança na região.

Ao longo dos últimos 41 anos, indicou Rouhani, Washington sonha com um regresso ao Irã para o qual elegeram uma monarquia que derrubou em 1953 um governo democrático.

De tal maneira que a hostilidade dos Estados Unidos começou desde o triunfo popular iraniano sobre os restos da tirania do xá Mohammad Reza Pahlevi em 11 de fevereiro de 1979 e se mantém.

Em outra parte de sua intervenção, elogiou os avanços em defesa, ao dizer que antes da revolução islâmica, 95 por cento das armas eram importadas, enquanto hoje todas nossas necessidades se satisfazem com armamento nacional, destacou.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas