Estrela Solitária
Depois de conquistarem o controle de alguns clubes tradicionais, porém menores, os capitalistas procuram agora emplacar a primeira aquisição de um clube grande brasileiro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Campeonato Brasileiro de Futebol Série A - Botafogo F.R. x Fluminense F.C.
A torcida botafoguense pode ficar ainda mais longe do processo de decisões do seu time do coração. | Foto: ALEXANDRE BRUM/ALLSPORTS/Fotos Públicas.

Durcesio Mello é o novo presidente do Botafogo, tradicional clube de futebol carioca que viveu seu auge com um dos maiores ídolos do futebol mundial, Mané Garrincha. A “Estrela Solitária” se encontra na mira de uma campanha dos capitalistas para sua privatização.

As experiências dos chamados clubes-empresa têm avançado progressivamente no Brasil, atingindo clubes tradicionais como o Bragantino em São Paulo e o Figueirense em Santa Catarina, mas ainda não chegou aos grandes clubes. Por isso, a importância do contexto atual vivido pelo Botafogo.

A eleição de Durcesio ocorre em meio ao imbróglio da transformação do Botafogo em um clube-empresa. O tema que dominou o processo eleitoral foi justamente a crise financeira vivida pelo clube e que serve de pretexto para sua desfiguração.

A pressão pela transformação do clube em Botafogo S/A tem o apoio entusiástico do golpista Felipe Neto, que setores desnorteados na esquerda procuram reabilitar. Em suas redes sociais, se colocou “aberto a ouvir o Presidente do Botafogo”, mas determinando como exigências mínimas a conclusão da privatização do clube e a permanência na Série A do Brasileirão.

Neste contexto, o atual mandatário cumpriria um papel meramente transitório até que o clube seja entregue a algum grupo capitalista. Sem a administração do futebol, sua função seria restrita à parte social do clube e aos esportes aquáticos.

É importante lembrar que quando se fala em privatização, estamos situando o debate no marco atual do capitalismo. A fase imperialista desse sistema é caracterizada pelos monopólios, onde os bancos ocupam papel central.

Assim, não existe a possibilidade de que o Botafogo seja controlado por algum grupo pequeno ou médio de investidores. A tendência dessa empreitada dos clubes-empresa é que vários deles passem a ser administrados por poucos ou até um mesmo capitalista.

O que esses tubarões da economia mundial querem é justamente abocanhar toda essa estrutura montada por décadas nesses grandes clubes. Gerações de torcedores, todo o patrimônio histórico, tudo isso de mão beijada para que esses parasitas se aproveitem do clube enquanto for lucrativo. Quando deixar se ser, retiram seu capital e investem em outro.

Por esse caráter parasitário, não há interesse em construir um clube do zero. Fora toda a estrutura física, a parte não material demora muito mais tempo para ser construída: a relação da torcida com o time, sua história.

A desfiguração operada contra o tradicional Bragantino deve servir como alerta aos torcedores botafoguenses. Mesmo não figurando entre os grandes clubes nacionais, tem uma longa história e teve que abrir mão até das próprias cores e do seu escudo para se adaptar ao padrão da multinacional Red Bull, que já controla alguns clubes na Europa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas