Sem vacina e sem auxílio
Como se já não bastasse não ter assistência adequada e ser deixado para morrer nas filas de espera nos hospitais públicos, o povo agora vai ter metade do auxílio emergencial.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
BC
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. |  Raphael Ribeiro/BCB/Divulgação

Vacinar a população é mais barato que prorrogar os programas emergenciais do governo de enfrentamento à pandemia da Covid-19, foi o que afirmou o presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, nesta terça-feira (15).

Neto continua, e diz que o prolongamento dos gastos públicos não tem mais correspondência com o que se arrecada pelo fisco. Em evento promovido pela Eurasia Group, ele também disse que: “Há um foco nas vacinas, em quem vai conseguir antes e a logística, o mercado está focado nisso também”.

Ele insiste e complementa dizendo que, embora os gastos fossem necessários para superação com a crise pandêmica, o rigor perante os investidores e o mercado, exige um pulso firme, e esse controle é, sem dúvida, a resposta que se espera. Até porque, caso assim não seja, a dívida vai aumentar e a retomada vai ficar cada vez mais difícil.

“A discussão agora é de como vai ser o gerenciamento dessa dívida. O efeito colateral da dívida alta é que vamos mudar o seu perfil, que começará a ser financiada no curto prazo.”

Em resposta às dúvidas sobre a tributação e o fisco, o presidente do BC falou que há o risco de dominância fiscal, quando a política fiscal tem maior peso na política monetária.

“Estamos em um período em que a vacina está chegando e o governo decidiu investir nisso. Se nada funcionar e voltarmos a situação de crescimento baixo e inflação ruim, a gente vai ter esse cenário de dominância fiscal”, completou Neto.

No fundo, o que precisa ficar claro é que, se até o momento nenhum governo investiu em uma política na saúde para resolver o problema da pandemia, por que ela faria isso agora? De fato, o que se tem de concreto é que a única coisa que mudou é a desoneração dos cofres públicos em relação ao auxílio emergencial que caiu pela metade. 

Agora em dezembro, quem recebia R$600,00, já está recebendo R$300,00, de acordo com o calendário de desembolso do governo. Ou seja, o rigor fiscal e o espaço fiscal sem correspondência não só não prevê o esticamento dos gastos com o auxílio emergencial, como também não prevê investir em vacina alguma. Caso não fosse esse o interesse, não teria deixado 200 mil pessoas morrerem por falta de assistência da Saúde, que por todo lado entrou em colapso, e agora dá demonstração, nessa “nova onda”, de que não vai ser diferente.

E além disso, o governo federal, com esse intuito, já definiu que sequer os estados vão fazer pedidos separadamente da vacina, tendo que se sujeitar à centralização de pedidos pelo Ministério da Saúde. Não que os Estados tivessem interesse de erradicar a doença com as vacinas, muito pelo contrário. O que temos é uma jogada política para ver quem fica melhor na opinião pública e consegue tirar proveito disso para a corrida presidencial das eleições de 2022.

O povo vai ficar novamente na pior! Como se já não bastasse não ter assistência adequada e ser deixado para morrer nas filas de espera nos hospitais públicos, agora vai ter metade do auxílio emergencial, o que nem de longe é garantia de uma cesta básica que possa segurar as pontas de uma família diante da crise.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas