Miguel Díaz-Canel
Pedido foi feito no encerramento do Terceiro Congresso Anti-imperialista contra o Neoliberalismo, em Havana
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Captura de Tela 2019-11-04 às 17.25.27
Díaz-Canel tem defendido frequentemente a liberdade de Lula. Foto: Estúdios Revolución |

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, pediu a liberdade imediata do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante a cerimônia de encerramento do Terceiro Congresso Anti-imperialista contra o Neoliberalismo, realizado no Palácio das Convenções de Havana, em Cuba, no último domingo (03).

“Lula livre! Lula livre, já!”, exclamou o líder cubano, eleito no ano passado para suceder Raúl Castro, primeiro-secretário do Partido Comunista Cubano. Díaz-Canel exigiu a liberdade de Lula ao falar sobre a conjuntura política da América Latina, solidarizando-se com os governos e movimentos de esquerda que vêm sendo alvo do assédio brutal do imperialismo e da direita, como Nicolás Maduro na Venezuela, Daniel Ortega na Nicarágua e o próprio Lula no Brasil.

“Ser solidários é saldar nossa dívida com a humanidade. Por ser solidário e coerente com a história de lutas e sacrifícios, por ser irmã dos povos que resistem, Cuba é condenada e sancionada sem limites”, denunciou.

E continuou: “Quando ficamos sozinhos no meio do hemisfério, fundamos aqui o Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), foi uma ideia de Fidel, não nos interessava a relação com governos do ministério das colônias [referência à OEA, que continua promovendo a desestabilização de governos de esquerda], nos interessa em primeiro lugar a amizade dos povos.”

Essa é uma importante denúncia contra a prisão ilegal de Lula e por sua liberdade, uma vez que é feita por um presidente de um país soberano e em um encontro internacional. No congresso, também estiveram presentes os próprios Raúl Castro e Nicolás Maduro, bem como a presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann.

Ela recebeu, como presidenta do partido de Lula e personalidade destacada da delegação brasileira que participou do congresso, as 24 caixas que continham mais de dois milhões de assinaturas recolhidas por toda a Cuba pedindo a liberdade para Lula, em meio à campanha que a ilha realiza pela soltura do ex-presidente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas