20190809080848_22ed5d83-60d2-434b-aeea-e21191ffe0b4 (1)

Ministro “não se comprometeu com nossas pautas”, afirma presidente da UNE

Montalvão não foi apresentar as reivindicações ao governo, foi como se fosse uma conversa com o ministro. 

Em entrevista à ÉPOCA, Montalvão afirmou que o convite para o encontro teria sido uma “conquista”. Mas que, a reunião teria sido “pouco proveitosa”.

UNE reivindicou, o fim do contingenciamento de verbas para a área. Posicionou-se contra o Future-se – projeto que busca reestruturar o financiamento às instituições de ensino superior públicas; constatou que Abraham Weintraub, tal qual Bolsonaro, comunica-se somente com sua própria bolha. Por fim constatou que MEC não se comprometeu com o desbloqueio das verbas.

Seria normal o presidente da UNE reunir-se com o presidente da República, não na situação atual. Nesse momento de extrema polarização, de mobilização revolucionária das massas exigindo nas ruas o Fora Bolsonaro.

Reunião institucional. Essa é a política da esquerda mais direitista. A política de se aproximar do governo e do PSDB. Estabelecer um diálogo e nem mesmo pressionar o governo.

Nas atuais condições isso fortalece o governo e não a UNE, na medida em que os estudantes estão totalmente contra Bolsonaro.

Comportamento do presidente da UNE serve para assinalar que é preciso conviver com Bolsonaro, uma política de boa vizinhança.

A “conquista” seria ser reconhecido por Bolsonaro, que ele aceite o diálogo, coisa que na verdade não vai ocorrer.

Bolsonaro não vai recuar em nada em seus ataques aos estudantes.

Essa reunião da UNE é negativa. No momento, em que o povo e os estudantes pedem o Fora Bolsonaro.

É uma tentativa de colocar Bolsonaro na linha. Com essa iniciativa, é a UNE sendo colocada na linha, por Bolsonaro.

Montalvão quer aceitação e não o Fora Bolsonaro.