Siga o DCO nas redes sociais

Golfo Pérsico
Preparando a agressão ao Irã: EUA enviam tropas à Arábia Saudita
Com a desculpa de ajudar na defesa aérea do reino saudita, EUA aumentam a pressão militar contra os iranianos
Kiowa prepares for flight
Golfo Pérsico
Preparando a agressão ao Irã: EUA enviam tropas à Arábia Saudita
Com a desculpa de ajudar na defesa aérea do reino saudita, EUA aumentam a pressão militar contra os iranianos
EUA são especialistas em enviar tropas de agressão sob desculpas defensivas.Foto: Kamaile O. Chan
Kiowa prepares for flight
EUA são especialistas em enviar tropas de agressão sob desculpas defensivas.Foto: Kamaile O. Chan

Na última sexta-feira (20), o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, anunciou o envio de tropas de seu país à Arábia Saudita, para apoiar a defesa aérea do seu reino fantoche, após o ataque com drones a instalações petrolíferas de Riad reivindicado pelo grupo rebelde iemenita houthis.

Em coletiva de imprensa, ele afirmou que o Pentágono “vai trabalhar para acelerar a entrega de armamentos à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos a fim de melhorar a sua habilidade de autodefesa”.

Trata-se de uma manobra militar contra o Irã. O ataque reivindicado pelos rebeldes do Iêmen foi atribuído arbitrariamente ao país persa pelo imperialismo norte-americano e os sauditas, a fim de ter mais uma justificativa para aumentar a pressão militar contra Teerã.

Assim, agora Washington envia tropas, armamentos e outros equipamentos bélicos para a Arábia Saudita poder utilizá-los contra o Irã, que obviamente tem todo o direito de também se armar para se defender, inclusive com o desenvolvimento da tecnologia nuclear.

O próprio governo dos Estados Unidos não consegue esconder completamente sua posição agressiva. Esper disse ainda que “acreditamos que, por enquanto, isso será suficiente, mas não quer dizer que não possa haver desdobramentos adicionais se necessário”.

Esses “desdobramentos adicionais”, logicamente, são o aumento do envio de material de guerra e de tropas até que, dependendo da oportunidade encontrada pelo imperialismo, se deflagre uma guerra de agressão contra a soberania do Irã. Não passa de demagogia a repetição do discurso de Trump feita pelo titular da Secretaria de Defesa, de que “os Estados Unidos não buscam um conflito com o Irã”. Mesmo que haja “muitas outras opções militares disponíveis”, como ele disse, o imperialismo sempre está disposto a travar uma guerra para conquistar os países atrasados.

Como sempre, o culpado pela escalada nas tensões é o país alvo do imperialismo, não o país imperialista, na propaganda capitalista. “O ataque de 14 de setembro contra as refinarias sauditas representa uma drástica escalada nas agressões iranianas”, declarou Esper.

Ainda não foi revelado o número de soldados norte-americanos que irão desembarcar na Arábia Saudita, mas atualmente os Estados Unidos possuem cinco bases militares no país árabe. Uma delas, a Base Aérea Rei Abdul Aziz, fica na costa leste do país, no Golfo Pérsico, do lado oposto à costa oeste iraniana, sendo de fácil utilização logística para o ataque contra o Irã.

É preciso denunciar as pressões dos Estados Unidos contra os iranianos a nível internacional e exigir a expulsão do imperialismo do Oriente Médio. Não à agressão contra o Irã!