Prefeitura fascista de São Paulo expulsa moradores sem-teto de 3 prédios ocupados

Torre que pegou fogo e ruiu em São Paulo foi detenção de Nobel da Paz

Da redação – O prefeito Bruno Covas (PSDB), confirmou nesta segunda-feira, 30, a interdição total de três prédios ocupados por movimentos sem-teto e a interdição parcial de outros dois. A alegação é de que as inspeções constataram problemas diversos, como: 65% das ocupações as rotas de fuga em caso de incêndio estavam obstruídas; sete de cada 10 ocupações não têm brigada de incêndio organizada; em 82,3% dos casos, a rede de hidrante é inexistente ou está danificada e em 88,2,% dos imóveis a rede elétrica é irregular. Também afirmam ter identificado problemas em 51 imóveis vistoriados, mas ainda não tem solução definida para 27 deles.

Essa política de expulsão dos sem-teto, nada tem a ver com uma suposta preocupação com os moradores e as irregularidades. Já se passaram três meses do desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, e a prefeitura de São Paulo não fez nada, ou melhor, largou as pessoas na rua enquanto há centenas de prédios vazios na capital.

A articulação tucana, montou toda uma força-tarefa, com técnicos das áreas da habitação e da Defesa Civil, para “avaliar” a situação de outras ocupações da cidade após o incêndio criminoso, e, agora, começa a expulsar o máximo de pessoas possíveis dos prédios, pois assim, se livra de mais problemas. Mais além, ficam livres para especular com os grandes capitalistas de olho nos imóveis na região central. O que ficou claro desde a época do desabamento criminoso, onde, em uma propaganda de um imóvel ao lado, foi lançada sem o prédio que desabou ao fundo da paisagem.

A burguesia, mais especificamente na “estadia prolongada” dos tucanos há quase 30 anos em São Paulo, já cometeu inúmeras atrocidades contra os cidadãos através de seus diversos representantes na prefeitura e no estado. Esses representantes majoritários do golpe, não tem interesse algum em ajudar a população mais carente, pois, se tivesse, as promessas aos desabrigados do Largo do Paissandú teriam sido cumpridas e não estariam totalmente abandonados na rua, tomando chuva, sol e sem um teto digno pra morar.