Defender as universidades
Os estudantes e a comunidade universitária em geral devem abandonar o torpor demagógico da campanha pelo “fica em casa” e reagir
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Nova Fachada da Cidade Universitária Gestão Funemac. Macaé(RJ).Data: 10/04/2014. Fotógrafo: Maurício Porão/Prefeitura de Macaé
Entrada do Funemac. | Foto: Maurício Porão

O ano de 2021 começa já com despejo na cidade de Macaé – RJ. A nova gestão municipal, sob o comando de Welberth Rezende, do partido golpista Cidadania, atacou a Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e a Universidade Federal Fluminense – UFF, com despejo planejado de instalações das universidades no espaço da Fundação Educacional de Macaé – Funemac.

A ação do despejo se dá em momento no qual os profissionais estão de férias – demonstrando a atitude covarde do governo – e não prevê outro espaço para o alojamento das unidades. A justificativa dada pela prefeitura é de utilizar os espaços para a Secretaria de Educação Municipal.

Entre as perdas previstas para a sociedade, estão espaços de assistência à população, como o Centro de Assistência Jurídica e o Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal, ambos da UFF. Também no espaço funciona o Grupo de Trabalho de Enfrentamento à Covid-19 da UFRJ/Macaé, o que demonstra que a UFRJ não cessou suas atividades durante a pandemia, justamente intensificou seus trabalhos no sentido de atender às necessidades dos trabalhadores.

Isto é, durante uma pandemia não enfrentada por governo praticamente algum, e um genocídio ainda em curso no país, a prefeitura de Macaé ataca uma instituição responsável pelo parco enfrentamento existente à doença. Algo no mínimo aberrante! A prefeitura chegou inclusive a acusar a notícia de ser “fake news” (notícia falsa), acusação negada por uma carta recebida pelos professores das universidades vinda da própria fundação municipal, a Funemac.

O DCE Mário Prata, da UFRJ, convocou ato simbólico para o mesmo dia em que saiu a notícia, de modo a denunciar esta arbitrariedade. Os professores das universidades se mantém abertos ao diálogo com a prefeitura. A questão, porém, é que este tipo de ação não deve ser aceito de modo algum, as organizações das categorias universitárias devem mobilizar e organizar estudantes, professores e funcionários, convocar ações concretas para impedir os despejos.

Se a prefeitura proíbe aglomerações com mais de 10 pessoas, é a própria prefeitura quem provoca a necessidade de uma grande aglomeração em protesto contra seus desmandos. Os estudantes e a comunidade universitária em geral devem abandonar o torpor demagógico da campanha pelo “fica em casa” e ter bem formulada a ideia de que se não defenderem seus próprios interesses, a direita liquidará todos eles.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas