Menu da Rede

Imperialismo prepara novo golpe contra Lula

Edmilson Rodrigues

Prefeito “progressista” do PSOL quer obrigar retorno às aulas

É mais um político como qualquer outro - a frente ampla não engana - é o mesmo projeto de Bolsonaro sem Bolsonaro

Servidora em manifestação no último dia 21 contra a política genocida de Edmilson Rodrigues (PSOL) – Sintepp Belém

Publicidade

Desde a segunda-feira da semana passada, os servidores públicos da educação da capital paraense paralisaram suas atividades em resposta à SEMEC – Secretaria Municipal de Educação de Belém – que determinou o retorno de todo o setor para as escolas de forma presencial e sem a possibilidade de escala, mesmo sem qualquer controle da pandemia do novo coronavírus por essas autoridades.

Um caso já repetido de contaminações e mortes pelo COVID-19 no retorno forçado em 14 de setembro do ano passado. Uma determinação do prefeito anterior Zenaldo Coutinho (PSDB), que pela mobilização dos trabalhadores da educação frente aos programas genocidas desses partidos e do governador Helder Barbalho (MDB), foi obrigado a fechar as escolas novamente 2 meses depois, em novembro.

A luta dos professores, servidores e da população de Belém pela revogação da portaria permanece. Porém, desta vez a medida tem origem em ninguém mais que Edmilson Rodrigues (PSOL), eleito no final do ano passado para a prefeitura de Belém com apoio de setores golpistas como PSDB, PV, REDE, Cidadania, PDT e etc, em uma frente ampla prometendo “revolucionar a maneira de se governar”.

Além do apoio recebido pelos próprios responsáveis pelo bolsonarismo no país, Edmilson uniu estes junto à sua base, setores esquerdistas da classe média, além de artistas  como a paraense Gaby Amarantos, Caetano Veloso, Fafá de Belém, em uma frente supostamente “antifascista”. Uma frente –  a frente ampla – que em 2020 não passou de uma propaganda da própria burguesia, que através do PSOL, isolou o PT – partido de maior base popular – das eleições, levando a cabo seu programa com um viés esquerdista.

Edmilson é figura velha na política de Belém. Foi prefeito anteriormente por duas vezes pelo Partido dos Trabalhadores e, como todo bom pequeno burguês carreirista, saiu do partido na primeira crise que surgiu após a ascensão do petismo ao governo federal, se filiando assim ao PSOL. Em Belém, formou a chamada Frente Belém Popular em 2000, com o apoio do PPS, PCdoB, PCB, PSB e PT, seu então partido, se colocando sempre como uma pessoa da Frente de Esquerda na capital, que 20 anos depois se agrupou com a direita golpista.

Em apenas 6 meses de mandato, o psolista está longe de ser “o melhor prefeito do mundo” como acreditam os seus colegas de partido. O candidato da frente ampla fez exatamente o que já se esperava: aplicou a mesma política dos prefeitos e governadores golpistas da direita e da extrema-direita, obrigou a volta às aulas ignorando o risco de contaminação e morte dos professores, estudantes e familiares pela situação pandêmica que até agora não teve sequer uma única mostra de segurança para a classe trabalhadora brasileira. Tudo isso para atender aos interesses capitalistas de reabertura da economia para, assim, alimentar os bolsos dos banqueiros.

Por outro lado, os trabalhadores da educação estão mobilizados e exigem, como de praxe, um diálogo, um plano de retorno que conte com a segunda aplicação da dose da vacina e não apenas a primeira, sem deixar de lembrar que existe um número crescente de vacinados que morreram pelo vírus. Sem contar também os estudantes, que como se vê serão os últimos a serem vacinados no país. Não é possível o retorno às aulas a toque de caixa, e por isso, no próximo dia 24, os servidores farão uma nova assembleia com indicativo de greve sanitária contra a portaria.

Mas é preciso entender que a greve “sanitária” em si não adianta. Os sindicalistas da educação de Belém precisam levar adiante uma greve de verdade, séria, com mobilização nas ruas. A atitude de Edmilson Rodrigues desmascara sua política: é uma imitação barata do que faz o PSDB em todos os estados e cidades em que governa. É uma política voltada diretamente contra os trabalhadores, desta vez aplicada por alguém que se disfarça de aliado dos trabalhadores. No entanto, não há como ser aliado dos trabalhadores e ao mesmo tempo da direita golpista como o PSDB ou a Rede.

Acrescentando à pauta de exigências, o funcionalismo público de toda a capital permanece com piso salarial muito abaixo do nacional, nos vergonhosos R$827,00, os quais além do reajuste salarial, os trabalhadores exigem o reajuste no vale alimentação, até agora negado pelo Tribunal de Contas do Município (TCM), e da revogação da Reforma da Previdência Municipal que a prefeitura de Edmilson Rodrigues recua apenas temporariamente. Para os trabalhadores está claro, se trata de mais um político como qualquer outro.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.