20 mil reais
Em meio ao golpe e o avanço da extrema-direita, políticos regionais, de pequenas cidades, aproveitam para cassar os trabalhadores
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
professores
Foto: montagem - Edione Sodré na esquerda e Adelson Sousa de Oliveira à direita |

Da redação – O prefeito de Iaçu (BA), Adelson Sousa de Oliveira, num furioso ato de perseguição política, está processando a coordenadora do núcleo da APLB (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia), professora Edione Sodré, acusando a líder sindical de calúnia e difamação e pedindo na Justiça uma indenização de nada menos que vinte mil reais, por danos morais.

Edione tem mais de vinte e dois anos de trabalho dedicado à Educação Municipal enquanto professora de carreira. De conduta ilibada e reputação irreparável, assumiu a coordenação da APLB no ano de 2015 e nunca respondeu a qualquer tipo de processo.

O motivo aludido foi uma música do cantor e compositor Gabriel o Pensador, intitulada “Pega Ladrão”. A postagem não cita Adelson, muito menos seus familiares. Mesmo assim, a canção compartilhada na página da APLB enfureceu o prefeito, que havia cortado os salários de professores e coordenadores participantes de uma greve feita no mês de fevereiro com o objetivo de cobrar direitos violados pelo gestor.

O objetivo da direita é fechar o sindicato e acabar com o plano de carreira da categoria, assim, Adelson demonstra estar com sede de vingança, tipicamente fascista em meio ao golpe que avança na perseguição de sindicalistas por todo território nacional. Somente nesta gestão, cortou o desconto sindical em folha de pagamentos autorizado pelos associados do sindicato com o objetivo de criar dificuldades financeiras para a APLB. Também responde ao processo do ano de 2012, em que os educadores cobram uma dívida de mais de trezentos mil reais e deixando essa dívida na sucessão daquele ano, no qual se elegeu como vice-prefeito.

Adelson subtraiu valores do décimo terceiro salário dos servidores da Educação, criando uma dívida para o município e seu povo. Na atual gestão, o prefeito congelou a carreira do magistério por três anos, acumulando despesas e engrandecendo ainda mais a dívida para a Prefeitura Municipal. Se a política é de endividar a Administração Pública, quem vai pagar a conta?

CULTURA DO CALOTE

Iaçu é o município onde o “prefeito deve, mas o povo é quem paga a conta”. Não é possível admitir que gestores irresponsáveis sigam com seus calotes e coloquem em risco a saúde financeira município. A cidade não pode ser levada à falência. Adelson é um dos prefeitos que acumulam processos por desrespeitar direitos dos servidores públicos, principalmente os ligados à Educação. Cabe perguntar: qual é o motivo de tanto ódio contra os educadores?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas