Golpismo
Sarto Nogueira (PDT) dá golpe nos servidores e tenta a todo custo aprovar reforma criminosa da previdencia em Fortaleza
48080803981_fdc47b60d2_k
Trabalhadores em greve contra a reforma da previdencia | André Quintão
48080803981_fdc47b60d2_k
Trabalhadores em greve contra a reforma da previdencia | André Quintão

Como se não bastassem os constantes ataques da direita declarada e sem vergonha, o trabalhador brasileiro ainda é obrigado a lidar com os ataques de figuras de partidos que tentam se passar por “progressistas”, “nacionalistas”, “democráticos” e “trabalhistas”. É o caso de fortaleza, onde os servidores municipais declararam nesta segunda feira (15) estado de greve contra a reforma da previdência municipal, imposta a toque de caixa pelo prefeito Sarto Nogueira do PDT.

Embora já tenha ficado mais que claro o caráter golpista e reacionário do PDT na votação da reforma da previdência, onde 8 dos 27 deputados votaram a favor desse que foi um dos mais duros ataque aos direitos trabalhistas realizado nos últimos tempos, o partido que se utiliza do nome de Leonel Brizola como credencial de esquerdista não se deu por satisfeito. Na capital do Ceará, maior curral eleitoral do partido, o prefeito Sarto Nogueira decidiu dar uma vergonhosa rasteira nos servidores municipais e enviar a câmara um projeto de “reforma” da previdência sem nenhum diálogo com a categoria. O projeto, tocado em regime de urgência, visa aumentar a sangria dos trabalhadores do setor público de Fortaleza e prevê, entre outras arbitrariedades, o fim dos anuênios, da licença prêmio, a equiparação da idade mínima à reforma federal e o aumento da alíquota de contribuição. Como bom golpista, o prefeito está ainda tentando passar o projeto em forma de Projeto de Lei Complementar, pois dessa forma reduz a quantidade de votos necessária para a aprovação do ataque descarado.

Em resposta ao “golpismo democrático trabalhista”, o Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort) declarou estado de greve e organizou atos públicos na capital, acompanhado de outros sindicatos e da CUT. A greve e as mobilizações estão pautando além da questão do golpe da reforma previdenciária, o reajuste salarial assegurado em lei, reivindicando o aumento de 4,52% referente a inflação de 2020 (IPCA) e outros pontos da campanha salarial de 2021.

Sempre é valido lembrar que com a reforma trabalhista de Michel Temer, os sindicatos ficam obrigados a pagar honorários e indenizações aos patrões em caso de perda de causa na justiça ou outra arbitrariedade qualquer do poder judiciário. No entanto não parece ser de interesse da esquerda de conjunto lutar contra esses ataques absurdos contra os trabalhadores, visto que boa parte está tentando “virar a pagina” do golpe buscando uma aliança com esses mesmos golpistas supostamente para “combater o fascismo” de Jair Bolsonaro. Nada poderia estar mais longe da realidade. Na prática, como vimos na vergonhosa eleição da presidência da câmara dos deputados recentemente, a direita está muito mais convicta em seguir a política fascista de ataques aos trabalhadores do que qualquer suposto combate ao fascismo. A esquerda a reboque da direita ilude o povo e cava a cova da classe trabalhadora enquanto tenta ganhar migalhas dos golpista.

Por essas e outras é preciso denunciar a farsa da frente ampla. Partidos como o PDT de Ciro Gomes e Sarto Nogueira não merecem nenhuma confiança dos trabalhadores pois estão comprometidos até o último fio de cabelo com essa política criminosa, e na prática, trabalham para limpar caminho para que os golpistas possam se estabelecer no poder. A única saída para o avanço da direita é a mobilização popular. Só o povo na rua é capaz de derrotar o golpe e fazer avançar as reivindicações da classe trabalhadora de conjunto.

Relacionadas
Send this to a friend