Mulheres no poder, não
Para esses capitalistas, mulheres não servem para trabalhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Paris- France- 10/01/2016- Hommage aux victimes des attentats de janvier et novembre à République 

Photo: Mathieu Delmestre/ Parti Socialiste
Prefeita Anne Hidalgo foi condenada a pagar noventa mil euros por ter muitas mulheres em seu governo | Mathieu Delmestre/ Parti Socialiste
Paris- France- 10/01/2016- Hommage aux victimes des attentats de janvier et novembre à République 

Photo: Mathieu Delmestre/ Parti Socialiste
Prefeita Anne Hidalgo foi condenada a pagar noventa mil euros por ter muitas mulheres em seu governo | Mathieu Delmestre/ Parti Socialiste

Na França, a prefeita do partido socialista da capital Paris recebeu uma multa, pasmem, pelo fato de empregar muitas mulheres para cargos de primeiro plano.

A multa de noventa mil euros foi dada pelo Ministério da Função Pública da França, com a alegação de que o país, com a ação da prefeita no ano de 2018, infringiu as regras de paridade de gênero estabelecidas. No ano de 2018, as mulheres ocuparam na administração da capital francesa 69% dos cargos de chefia, com onze mulheres e cinco homens em funções destacadas.

A ministra do serviço Público da França, Amélie de Montchalin, se pronunciou no Twitter sobre a multa, reconhecendo sua imposição, mas afirmando posterior anulação em 2019.

A situação é tão absurda que é difícil saber o que provoca à primeira vista, vontade de rir ou chorar, é indicador da atual situação a que as mulheres estão sendo relegadas em meio a uma das maiores crises econômicas da história, que em grande medida tem recaído sobre os ombros de setores mais vulneráveis como elas, o fato de terem trabalhos destacados geram comoção dentro dos meios sociais de Estados capitalistas mais desenvolvidos como a França.

A ação do governo francês deveria servir de sinal para os que alardeiam a substituição da luta de classes pelo identitarismo e a crescente emancipação das mulheres, mesmo as burguesas. Esses deveriam analisar com atenção o resultado de tentar dar voz e espaço aos mais oprimidos em uma sociedade capitalista cada vez mais barbarizada, sem ao menos apontar qualquer modificação em suas estruturas.

Porém, é ilusão achar que setores de esquerda que abandonaram a separação entre a luta operária e a burguesa, perdidos como se encontram façam tal elaboração. Essa deve ser feita pelas mulheres da classe trabalhadora e suas lideranças, no sentido de promover a reorganização de suas próprias fileiras.

É preciso que casos como esses nos sirva de lição, se nem as mulheres burguesas e pequeno burguesas, de direita ou esquerda, estão sendo aceitas em posições destacadas em determinados setores sociais, o que será das trabalhadoras. Pelo que os números nos apontam na pandemia, sobre a situação das mulheres, fica bem claro o aumento da violência doméstica, maioria entre os desempregados, destruição das condições de trabalho, aumento ainda maior das jornadas de trabalho, acúmulo de funções, dos direitos políticos e participação social.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas