Economia cada vez pior
As políticas monetárias dos bancos centrais levam para a hiperinflação. O poder de compra dos salários cairá diariamente. Enquanto isso, milionários ficam mais ricos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
42257704771_7493320e94_c (1)
Desemprego | Foto: Romerito Pontes

Segundo o jornal Cointelegraph, o Brasil poderá ter hiperinflação em 2021, e o valor do Real deverá despencar, como ocorrido nas décadas de 1980 e 1990, com a perda do poder de compra despencando junto com a crise. O próprio ministro da economia Paulo Guedes declarou recentemente que, se não der as “pedaladas fiscais”, a situação econômica caminhará para o caos. Ele ainda diz que a falta de privatizações colaboram para a situação de hiperinflação, onde o estado deixa de arrecadar com as vendas e piora a situação.

O economista chefe da FARSUL (Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Sul), Antonio da Luz, diz que aumento da inflação e desequilíbrio fiscal estão levando o país à falência. Agora não é hora de meia solução, é preciso ir fundo e fazer a reforma administrativa, cortando privilégios em todas as instâncias, como no judiciário com altos salários e férias de 60 dias, por exemplo.

O co-fundador do fundo de hedge de criptomoedas, Ari Paul, diz que a política monetária dos bancos centrais vai levar brevemente a hiperinflação. Os especialistas em bitcoins dizem que nesse cenário de incertezas o melhor investimento é nas criptomoedas.

Com essa notícia estão sinalizando para o risco social de hiperinflação e ao mesmo tempo pressionam o governo para acelerar as privatizações e a reforma administrativa.

Enquanto isso, o portal Uol economia divulga que os preços da gasolina e do etanol subiram durante a semana e o diesel, de maior consumo, caiu. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)

Como sabemos, essa política leva ao empobrecimento ainda maior da classe trabalhadora, que já está com muitas perdas acumuladas desde o golpe de estado. O aumento do preço dos combustíveis força ainda mais o encarecimento dos preços dos produtos consumidos, já que são transportados por rodovias.

Com as perdas salariais ocorridas após o golpe de estado, desemprego batendo recordes, e agora a hiperinflação fará com que as perdas sejam diárias, onde iremos parar? Se o cenário já é desfavorável para os trabalhadores hoje, com toda certeza vai piorar muito nos próximos anos.

Com o aprofundamento da crise econômica e da pandemia, o empobrecimento do povo trabalhador seguirá aprofundando. A quantidade de pessoas em condições de miséria seguirá aumentando cada vez mais. É um terror para os trabalhadores, enquanto os 10% mais ricos aumentaram sua riqueza. Uma política do Robin Hood ao contrário, tira dos pobres para dar aos ricos, muito ricos.

Percebe-se assim que o caos é para os pobres, trabalhadores e não para os ricos parasitários. Nesse sentido é fundamental que a classe trabalhadora se organize em conselhos populares, discutam a política a ser encaminhada para a luta por melhores condições de vida. Se não fizerem isso, a fome, miséria e a morte virão tão rapidamente que não fazemos ideia.

É urgente que os trabalhadores saiam para as ruas reivindicando seus direitos, sua parte justa da riqueza que produzem diariamente com seu trabalho e seu suor. Fora Bolsonaro e todos os golpistas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas