Chamado à greve geral
Essa é a segunda greve de 24 horas chamada na Colômbia desde a semana passada; país pode viver onda de mobilizações semelhante às de Chile e Bolívia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
EKZaSN8WkAAWXx6
Em Bogotá, manifestantes chegaram à Praça Bolívar. Foto: CUT Colômbia/Twitter |

Da redação – Hoje (27) iniciou-se um novo dia de mobilizações do povo colombiano contra o governo de extrema-direita do presidente Iván Duque.

Diante do chamado do Comitê Nacional de Greve, os trabalhadores e estudantes do país saíram às ruas para um enfrentamento direto e concreto ao regime direitista da Colômbia. Ações de protesto ocorrem nesta quarta-feira nas principais cidades do país.

“Contra o pacotaço de Duque, a ODCE, o FMI e o Banco Mundial”, declarou o Comitê em um comunicado oficial. Além disso, as manifestações exigem o fim dos acordos de livre-comércio que somente prejudicam a Colômbia e os povos oprimidos em benefício dos interesses dos grandes monopólios dos países capitalistas desenvolvidos.

Uma outra reivindicação importante é a extinção de uma unidade da polícia antidistúrbios da Colômbia, o Esmad. Esse esquadrão é o principal responsável pela violenta repressão aos manifestantes que saem às ruas na Colômbia desde o início do governo Duque, há um ano e meio, particularmente desde a semana passada. Na última quinta-feira (21), os trabalhadores realizaram a primeira greve geral dessa jornada de mobilizações, que teve uma repressão absurda do Esmad. Uma das vítimas da repressão foi o jovem Dylan Cruz, que acabou morrendo devido aos ferimentos.

A iniciativa para essa nova mobilização foi tomada após uma reunião em que o Comitê participou, com membros do governo. Essa reunião foi chamada pelo próprio governo, mas não teve a participação do presidente Duque. As organizações sociais queriam falar diretamente com Duque e, como não conseguiram, anunciaram a nova jornada de protestos, denunciando que na verdade o governo não quer diálogo nenhum.

O presidente da CUT colombiana, Diógenes Orjuela, afirmou que as mobilizações de hoje contarão com uma paralisação pela manhã e panelaços ao meio-dia e de noite.

Na capital, Bogotá, os manifestantes têm marcado uma caminhada do Parque Nacional até a Praça Bolívar, enquanto que em Medellín, Cali, Bucaramanga e Barranquilla também estão previstas mobilizações.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas