Balanço das eleições
Na capital gaúcha, a burguesia conseguiu exatamente o que queria: anular o PT para deixar a esquerda enfraquecida, a reboque da direita golpista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
manurosseto
Miguel Rossetto (PT) e Manuela D'Ávila: o PT sem "hegemonismo" é a derrota da esquerda | Reprodução: PCdoB

No último domingo (29), a apuração das eleições em Porto Alegre (RS) apontou Sebastião Melo (MDB) com 54,63%, o equivalente a 370.550 votos, derrotando Manuela d’Ávila (PCdoB), que teve 45,37%, cerca de 307.745 votos. Previsível, a vitória da direita golpista e a derrota da esquerda gaúcha corroboram o quadro nacional e mostram como a política da frente ampla – adotada pelo PCdoB e pela ala direita do PT – contribuíram com o objetivo da burguesia de isolar o próprio Partido dos Trabalhadores e levá-lo à derrota.

Para entender o sentido da eleição de Porto Alegre, é preciso considerar a configuração do PT no Rio Grande do Sul. A direção do Partido no estado é uma das mais direitistas do País. Seu principal líder, o ex-governador Tarso Genro (pai da psolista Luciana Genro), foi o ministro da defesa que durante os governos federais do PT fortaleceu a Polícia Federal, que seria peça chave na derrubada da própria presidenta Dilma Rousseff. Mais, o ex-ministro foi dos mais ativos defensores da Lava Jato e da autocrítica dentro do PT.

Essa direção do PT, consequentemente, é partidária de ideias como “aposentar” Lula em detrimento de quadros jovens da esquerda, alçados pela burguesia, como o caso de Manuela d’Ávila. Justamente para impulsionar uma “nova esquerda jovem”, a “ esquerda Felipe Neto”, que apoia a Lava Jato, o golpe de Estado, a frente ampla com setores da direita.

Durante o 1º turno, a esquerda fez uma verdadeira campanha da vitória, como se Porto Alegre fosse eleger Manuela d’Ávila sua primeira prefeita, ignorando todas as articulações da direita e a fraude eleitoral iminente.

Assim, a candidata do PCdoB, que liderou as pesquisas de intenção de voto, sendo cotada para vencer o 1º turno, acabou tendo 29% dos votos, contra 31% do candidato golpista do MDB, Sebastião Melo.

No entanto, a todo o momento PCdoB e PT comemoraram os resultados das pesquisas eleitorais como sendo uma vitória, induzindo os trabalhadores a caírem na armadilha da burguesia, que preparava a vitória de um candidato da direita. Na última pesquisa do Ibope antes do 1º turno, a candidata do PCdoB aparecia com 27% das intenções de voto, liderando isoladamente. Mas, sem considerar os dados concretos da disputa, setores da esquerda que compuseram a coligação deram como certa a eleição de Manuela D’ávila.

A euforia eleitoral era tanta, que as informações das próprias pesquisas que a esquerda usara como base para contar vitória, foram esquecidas. Isto porque, mesmo com a vantagem que a candidatura do PCdoB tinha, dava-se pelo fato de candidaturas da direita estarem divididas. Com a renúncia da candidatura de Fortunatti, do PTB, a burguesia deu ainda mais votos para o MDB e garantiu que o PCdoB não vencesse o 1º turno, o que poderia dar um impulso à candidatura da esquerda, o que já era parte da fraude.

De qualquer forma, mesmo que vencesse o 1º turno, ao chegar no 2º, a esquerda encontraria uma direita unificada em uma mesma candidatura, o que de fato ocorreu.

Isto estava claro! Era do conhecimento da candidatura do PCdoB. Porém, ao invés de partir para o ataque com tudo diante do candidato do MDB, a esquerda fez uma campanha morna, sem atacar as ligações do adversário com o golpe de Estado e com o próprio Bolsonaro.

Manuela d’Ávila fez uma campanha muito semelhante à de Guilherme Boulos, que tratou seu adversário (Bruno Covas), como “ponderado”. Jogou fora todas as oportunidades que teve – e teve muitas – de polarizar a disputa ao denunciar a direita golpista porto-alegrense.

Ora, por quê? Simplesmente porque Manuela e o PCdoB adotam, há tempos, uma política de aliança com esses mesmos setores. O PCdoB fez coligações com o MDB, DEM, PSDB, PSL e toda a corja da direita nacional nestas eleições. Também sempre apoiou Rodrigo Maia (DEM) na Câmara dos Deputados. O PCdoB é o partido da frente ampla dentro da esquerda, o principal articulador da entrega da esquerda à direita (embora o PSOL esteja quase tomando seu lugar).

O PCdoB defende, oficialmente, a união de todos os setores que seriam, supostamente, minimamente contrários a Bolsonaro. Daí porque sua candidata não atacou em nenhum momento, de maneira dura, seu adversário do MDB e da aliança direitista no segundo turno. Após as eleições, vai continuar e aprofundar os acordos com essa mesma direita, isto é, a política da frente ampla.

Um modelo para o Brasil

Outro ponto fundamental é que o candidato a vice de Manuela era o ex-prefeito Miguel Rossetto (PT). Essa foi uma manobra chave articulada pela frente ampla para garantir a vitória da direita. Mas também com a participação consciente do próprio PT de Porto Alegre, comandado por burocratas da casta de Tarso Genro, com fortes ligações com a burguesia.

A ala direita do PT aliou-se à burguesia e forçou o partido a ficar a reboque de uma candidatura muito menos popular que a sua. Assim, conteve qualquer possibilidade real de a esquerda obter uma vitória eleitoral na cidade. O PT gaúcho e o PCdoB articularam uma aliança em torno da candidatura de Manuela como uma espécie de “autoboicote”. Isto é, adotaram conscientemente uma política suicida. Logicamente, baseada em importantes motivos.

Impedir o desenvolvimento da esquerda para um enfrentamento com a direita golpista, desenvolvimento que passa pela mobilização popular, mesmo que no terreno eleitoral, que só pode ser alcançada com a mobilização do maior partido da esquerda nacional, justamente o PT.

Logo, as eleições em Porto Alegre foram um protótipo da burguesia e da frente ampla para o que pretendem executar em escala nacional no próximo período: colocar o PT para escanteio, acabando com seu “hegemonismo”. O objetivo é anular todo o movimento da esquerda a fim de colocá-la a reboque da direita “democrática” em uma frente ampla que garanta a manutenção do regime golpista.

Ou seja, o que aconteceu em Porto Alegre foi um golpe dos dirigentes do PT dado contra o próprio PT. Foi assim que a direção gaúcha do PT, dessa ala direita, anulou o próprio Partido.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas