Porta-voz dos golpistas ontem e hoje: Globo lê em rede nacional exigência de general Villas Bôas

Brasileiros de todos os cantos do País assistiram estarrecidos, na noite desta terça-feira (3), a ameaça inescrupulosa feita pelo alto comando das Forças Armadas contra o Superior Tribunal Federal (STF) ser lida ao vivo, pelo porta-voz da burguesia, William Bonner, no encerramento do Jornal Nacional. Assim como aconteceu em 1964, Globo e Exército fazem dobradinha para promover um golpe militar no Brasil.Porta-voz dos golpistas ontem e hoje: Globo lê em rede nacional exigência de general Villas Bôas

No episódio de maior chantagem a Justiça desde a época da ditadura militar, o comandante geral do Exército, general Villas Bôas, não teve pudor em ameaçar explicitamente os ministros da Suprema corte, via rede social. Villas Bôas declarou em seu Twitter, que: “Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadão de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”.

Ultimato de Villas Bôas: Lula na cadeia, ou tanques nas ruas

A declaração se deu na véspera do julgamento do habeas corpus contra a prisão de Lula no STF. Durante a semana, vários generais já haviam se manifestado contra uma decisão da Suprema Corte que observe a Constituição, no sentido de não autorizar prisões antes do trânsito em julgado.

Maior liderança popular desde Getúlio Vargas, Lula é o ponto de maior tensão na situação política nacional. Líder incontestável em todas as pesquisas eleitorais para a Presidência da República, Lula é o único que reúne atualmente condições para derrotar eleitoralmente aqueles que deram o golpe de 2016 contra a então presidenta Dilma Rousseff. Torná-lo inelegível, inclusive com sua prisão, sempre esteve nos planos dos golpistas para se manter no poder.   

Os movimentos sociais devem se mobilizar urgentemente. Apenas uma mobilização revolucionária pode impedir o avanço do fascismo que se instalou no País pós golpe de 16. Diversas manifestações contra a prisão de Lula e o golpe militar acontecem agora em todos os estados do Brasil.