A extrema-direita avança.
Com a crise global, os países do centro, como a Alemanha, já sentem o reflexo e as dificuldades econômicas. Como consequência, aumenta a polarização, e com ela a extrema-direita.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
extrema direita alemã
Alternativa para a Alemanha (AfD) retorna ao parlamento em 2017 | Foto: John MacDougall/AFP

Uma gravação veio a público pela transmissão da TV ProSieben, quando, na programação de notícias, a TV levou ao ar reportagem sobre a extrema-direita com um “furo” que escandalizou a todos.  Em uma declaração, o Sr. Christian Lüth, porta voz do partido alemão o Alternativa (AfD), é reconhecido em uma gravação de vídeo, quando apresentava argumento favorável ao acolhimento dos refugiados que chegam ao país, justificando que, quanto mais piorar a situação da Alemanha, melhor será para seu partido. E terminava dizendo que, sendo favorecidos pela piora da situação no país, implementariam uma solução para lidar com o problema que se tornariam os refugiados, matando a todos de qualquer jeito, como, por exemplo, com exposição à gás, não sendo, quanto a isso, a forma de resolver um problema. 

O Alternativa (AfD), é hoje a principal força contra o governo, e, ao que tudo indica, a sua tendência mais radical de extrema-direita está, cada vez mais, se sentindo à vontade para expressar sua insanidade, e sua natureza neonazista, o que tem levado a confrontos no seu interior com setores mais moderados. Dentro do partido radicais e moderados já se estranham. A ala radical, envolvida com movimentos neonazistas inclusive, já conta com a vigília da polícia que os considera uma ameaça à democracia e um perigo declarado de quebra da paz, da ordem e da tranquilidade.

Fazendo parte dos quadros do partido desde 2013, Christian a esta altura com 44 anos de idade, ocupava o cargo de porta-voz de parlamentares do partido que, em 2017, haviam retornado à Câmara dos Deputados depois de sofrerem uma suspensão por reivindicarem, em abril  passado, suas origens arianas, definindo-se como “fascistas”.

Com uma câmera escondida, em uma reunião realizada dentro de um bar de Berlim, alguém, que não se identificou, uma fonte anônima, flagrou a conversa do grupo por intermédio de uma gravação de celular, quando pôde registrar a declaração do político alemão, nos idos de 23 de fevereiro do corrente, de acordo com a reportagem transmitida pela TV ProSieben . A reportagem também esclareceu que, não obstante o vídeo reproduzido não conter a imagem de Christian Lüth, muitos foram capazes de identificá-lo pela voz. 

O presidente honorário do partido e chefe no parlamento, Alexander Gauland, se pronunciou dando uma declaração onde repudia o acontecido. Disse ele: “As declarações atribuídas ao Sr. Lüth são completamente inaceitáveis ​​e de forma alguma compatíveis com os objetivos e políticas da AfD e do grupo AfD no Bundestag”.

O AfD ganhou força no Parlamento alemão na eleição de 2017, retirando votos de partidos mais tradicionais ao focar na preocupação dos eleitores quanto à imigração. A legenda está representada em todos os 16 Parlamentos regionais da Alemanha, e é exemplo do avanço da extrema-direita na Europa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas