Instinto de classe
Há setores da esquerda que preferem depositar esperanças em instituições como o STF do que mobilizar os trabalhadores para derrotar a direita
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
01-SP-Ricardo-Stuckert-Instituto-Lula
O povo enche a Paulista contra a direita golpista. Foto: Ricardo Stuckert |

Todo o continente está se levantando contra a política neoliberal imposta pelo imperialismo aos países da região. No Brasil essa revolta está contida, por enquanto, mas é nítido que pode explodir a qualquer momento. Um elemento fundamental de contenção dessa revolta até agora é a política das direções da esquerda. Há uma recusa deliberada de mobilizar a população contra o governo. A política desses setores da esquerda contra o governo ilegítimo de Bolsonaro consiste em levar adiante a chamada “resistência”, que não significa muito mais do que fazer discursos contra as medidas de Jair Bolsonaro e “desgastá-lo” até as eleições de 2022.

Um exemplo desse problema foi dado pela mobilização pela liberdade de Lula no dia 27 de outubro em Curitiba. A situação nacional coloca a necessidade de uma grande campanha permanente pela liberdade de Lula, e esse era o sentido da convocação e da realização do ato em Curitiba. No entanto, grande parte da esquerda se recusa a participar dessa campanha, preferindo ser conivente com a prisão política de uma liderança de esquerda e com as arbitrariedades de um Estado tomado por agentes do imperialismo.

O que leva parte da esquerda a agir assim é o medo do povo mobilizado. É uma esquerda que tem medo de mobilizar os trabalhadores e de perder o controle das massas. Para esses setores, os trabalhadores nas ruas são um perigo porque eles poderiam atropelar as atuais direções políticas. De modo que preferem tentar se adaptar à situação sob o governo Bolsonaro, em vez de combatê-lo colocando a força dos operários mobilizados nas ruas contra o governo. Em vez de lutarem para derrubar o governo, estão em uma luta bem mais mesquinha: preservar cargos políticos mesmo que para isso tenham que ignorar a catástrofe política que está em curso.

O medo desses setores da esquerda que preferem evitar a mobilização segue um instinto de classe. É uma esquerda pequeno-burguesa que teme a classe operária. Consideram que o povo é perigoso e incontrolável, uns bárbaros que podem devastar tudo de maneira selvagem e deveriam ser mantidos quietos. A classe ordeira e civilizada seria a burguesia, que resolveria seus conflitos por meio de instituições democráticas. Portanto, o movimento que lutou contra o golpe até agora deveria, para conformar-se às necessidades desses setores, apostar todas as suas fichas nas votações no STF, por exemplo.

Essa é uma política que serve apenas para preservar determinadas posições conquistadas por essa esquerda pequeno-burguesa no Estado burguês, como cargos no Parlamento, por exemplo. E nesse momento é uma política perigosa para os trabalhadores, pois a convivência com o governo Bolsonaro em um momento em que a direita está em uma situação difícil só serve para que essa direita se reorganize para atacar de forma ainda mais dura os trabalhadores. É preciso dar vazão ao clamor das ruas e lutar sob a palavra de ordem de “Fora Bolsonaro”! Além disso, é preciso exigir a liberdade de Lula, que canaliza a enorme rejeição a esse governo. Para tanto, é preciso mobilizar as massas e colocar um grande movimento nas ruas, para esmagar a direita golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas