Menu da Rede

São Paulo: vermelho marcou presença em ato por “Fora Bolsonaro”

Não basta chorar os mortos

Por uma mobilização nacional contra o massacre de Jacarezinho

É preciso combater a histeria do "fique em casa" e impulsionar uma mobilização para deter a ofensiva da direita genocida

Policiais carregam corpo de executado para retirar do local do crime e evitar provas – Foto:Reprodução

Publicidade

O massacre de Jacarezinho, com pelo menos 28 mortos já divulgados e vários desaparecidos, resultado da ação criminosa da Polícia do Rio de Janeiro, nem de longe é uma exceção, naquela cidade e em todo o País.

O recorde consiste em que nunca haviam sido mortas tantas pessoas em uma só operação, em um só bairro; o que evidencia que, sob o regime golpista, a Polícia vem “aperfeiçoando” o funcionamento da máquina de guerra e terror contra a população pobre, negra e trabalhadora que é a Polícia.

Nada mais na menos do que a rotina, a forma de agir, cotidiana, da Polícias Civil e Militar e de todo o aparato repressivo que todos os anos mata, em número oficiais, mais de 6 mil pessoas por ano, dos quais 25% no Rio de Janeiro; em sua imensa maioria jovens e negros.

Como ocorre todos os dias na periferia de muitas cidades do País, o que ocorreu em Jacarezinho, nada tem a ver com uma suposta operação de “comabte ao crime” como declaram, cinicamente, os governantes, mas a matança generalizada, a execução de gente desarmada, de trabalhadores negros, a maioria dos quais apavorada diante da ação de guerra com centenas de homens da Polícia.

Uma situação totalmente ilegal e ditatorial em que os policiais agiram como verdadeiro grupo de extermínio e entraram na favela para matar, omitir provas e até cadáveres (há desaparecidos e denuncias de que pessoas foram jogadas no rio).

Na primeira lista de nomes dos mortos, divulgada pela OAB, na sexta-feira (7), diante de qualquer anúncio feito pela Polícia, 16 homens, todos entre 18 e 41 anos: Carlos Ivan Avelino da Costa Junior, 32 anos; Cleiton da Silva de Freitas Lima, 27 anos; Francisco Fabio Dias Araújo Chaves, 25 anos; Jhonatan Araújo da Silva, 18 anos; John Jefferson Mendes Rufino da Silva, 30 anos; Jonas do Carmo, 31 anos; Isaac Pinheiro de Oliveira, 22 anos; Márcio Manoel da Silva, 41 anos; Marlon Santana de Araújo, 23 anos; Maurício Ferreira da Silva, 27 anos; Natan Oliveira de Almeida, 21 anos; Rai Barreto de Araujo, 19 anos; Richard Gabriel da Silva Ferreira, 23 anos; Rômulo Oliveira Lucio, 20 anos; Toni da Conceição, 30 anos; Wagner Luis de Magalhães Fagundes, 38 anos.

O episódio não deixa  dúvidas de que estamos vivendo uma ditadura, que nada tem a ver com a vigência do Estado democrático de Direito que é declarado pela direita e, inclusive, por alguns setores da esquerda.

Junto com o genocídio em curso em meio à pandemia e aos seguidos recordes de fome e miséria que vem sendo quebrados nos últimos meses, fica claro que colocoar abaixo esse regime ditatorial é uma questão de vida ou morte para milhões de explorados e uma tarefa que não pode, conscientemente, ser adiada.

O ocorrido também desmascara a inutilidade da palavra de ordem de setores da esquerda de “desmilitarização” da Polícia Militar, levantada diante de outros massacres perpetrados pela PM. Desta feita, como em muitos outros casos, foi a Polícia Civil que cometeu o massacre, evidenciando que “tirar a farda” não vai diminuir a letalidade e caráter repressivo dessas organizações. É preciso dissolver a polícia e constituir comitês populares de auto defesa no seu lugar, sob o controle da comunidade.

Fica evidente que, muito além dos discursos eleitorais e das inúteis cobranças para que o próprio regime golpista puna os responsáveis pelo massacre. É preciso ter uma política de mobilização, de enfrentamento, para colocar abaixo o regime repressivo, genocida.

Não adianta, simplesmente, pedir que os culpados sejam punidos. Como foi visto nos milhares de casos anteriores, isso tende a levar anos até que se chegue a uma decisão judicial, que -quase sempre- tem como resultado ou a absolvição da imensa maioria ou a condenações fajutas nas quais os verdadeiros responsáveis (como é o caso dos governantes) nunca são responsabilizados.

É preciso combater essa forma de histeria promovida pela direita e acompanhada por setores da esquerda de se opor a mobilizações, defendo o “fique em casa”,que, independentemente das palavras, acaba por completar a política repressora de Bolsonaro e de toda a direita que quer que o povo fique em casa enquanto é massacrado.

De imediato, é preciso superar os protestos de tipo eleitoral, muito comuns diante desse tido de acontecimento, como uma medida de contenção da revolta da população e convocar uma mobilização popular com ampla agitação nas favelas e bairros operários não só de denuncia do massacre mas que apresente um programa com reivindicações populares diante da repressão, com medidas como a formação de comitês de auto defesa, dissolução da Polícia e de todo o aparato repressivo do Estado, punição dos responsáveis pelo massacre etc.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.