Fora Bolsonaro
O movimento pelo fora Bolsonaro avança em todo País
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Manifestação contra o golpe de Estado | Foto: Reprodução

O título dessa coluna faz menção à famosa frase de Malcolm X, um dos principais expoentes da luta pela libertação do negro norte-americano, defensor da autodefesa, armamento do povo e da imprensa negra, também por isso, assassinado pelo governo dos Estados Unidos.

A frase vem bem a calhar para o momento atual que a luta contra a direita vive. A luta contra os golpistas tende a superar a fase da enrolação tradicional da esquerda pequeno-burguesa, destinada a conciliar os interesses de classe, fechar acordos para apaziguar a violência e o ódio do povo contra o governo.

É o que se percebe nas mais variadas manifestações que foram realizadas até aqui, no meio da pandemia apesar (e contra) as orientações da esquerda tradicional, do #ficaemcasa ou manifestações virtuais.

Em São Paulo, onde a pressão é gigantesca, entrou em cena Guilherme Boulos, para contornar a crise, controlar a raiva dos manifestantes, fazer centenas de discursos no Largo da Batata e aliviar a pressão de gente que quer ir à Paulista varrer com os fascistas do mapa.

É preciso ter claro que essa fase de enrolação das manifestações já passou faz muito tempo, e que, agora, a luta, por estar mais polarizada, tende a se radicalizar, conforme pode ser visto nas declarações das torcidas organizadas, bem como dos demais depoimentos colhidos nas manifestações. 

O povo que ir às ruas lutar contra a direita, contra os ataques do governo golpista, e já não tem mais paciência para ficar ouvindo enrolação em atos combinados com os golpistas, como o realizado no último domingo, no Largo da Batata.

Para controlar a população a esquerda se utiliza dos mesmos argumentos da direita: “vejam, existe um processo, uma decisão judicial nos impedindo de ir para a Paulista”, “veja, não podemos ser violentos”, “precisamos dialogar”, “vamos manter a ordem”, etc. quando, na verdade, a luta deve colocar em xeque todas as instituições dos golpistas, da PM ao Poder Judiciários.

Não é possível, mais, aceitar as decisões da justiça contra o povo. É preciso lutar, também, contra a ditadura do judiciário, que depôs Dilma Rousseff, prendeu Lula e homologou a presidência de Jair Bolsonaro. Nesse sentido, é preciso lutar contra o regime, de conjunto, e é isso que expressa os atos, de rua, realizados no último período. 

As lideranças da esquerda pequeno-burguesa esperam manter os seus parcos privilégios, se adaptar ao regime dos golpistas, quem sabe, eleger alguém nas eleições deste ano, que pode ser que nem ocorram. Essa é a “ambição” deles.

O povo quer o fim da Polícia Militar, a dissolução do aparato de repressão, a queda total do regime dos racistas, da direita que está largando a população para morrer de insuficiência respiratória. As manifestações nos EUA, contra a execução de George Floyd, revelam que o sistema precisa ser derrotado. Não é uma luta por “justiça” ou por “democracia”, mas, sim, uma luta que visa retirar toda a corja de assassinos do povo do poder. 

A população trabalhadora, tanto lá quanto cá, perdeu a paciência, e a tendência é aumentar o nível de violência das manifestações. É natural que isso ocorra, afinal, que outra reação esperam diante de uma pandemia que mata o povo pobre e negro, diante de um sistema repressivo advindo da ditadura militar que executa milhares de negros todos os anos? A violência é natural, e, em certo sentido, necessária.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje

Nenhum dado até agora.