Coronavírus
Corridas acontecerão apenas no continente europeu
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
f1
Autódromo de Interlagos na cidade de São Paulo | Foto: Reprodução

O Brasil foi excluído Pela Fórmula 1 do mundial de 2020. O Motivo, naturalmente, é a crise sanitária vivida no país em função do Covid-19. As corridas faltantes serão repostas com outras que ocorrerão no continente europeu.

Será a primeira vez em 48 anos que o País não receberá a F1, um evento de grande porte e tradicional dentro do setor automobilístico, o que ilustra a gravidade do problema da pandemia no Brasil. O contraste aqui se dá no entanto com as aberturas realizadas pelo governo da direita de escolas, campeonatos de futebol, shoppings e outros serviços e eventos que movimentam quantidades massivas de pessoas. No Brasil ainda o presidente da CBF Rogério Caboclo disse que o campeonato brasileiro retornará no dia 09/08. Estão previstos também o retorno da Copa do Brasil, Série C e do Brasileirão feminino.

Em uma entrevista no dia 10/07 o próprio governador de São Paulo, João Dória (PSDB) disse que o evento estaria confirmado para iniciar dia 15/11/2020 no autódromo de Interlagos SP, atualmente o estado com o maior número de contaminações por coronavírus. Na data da declaração de Dória, no entanto, havia sido divulgado o calendário parcial dos eventos pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), e o Brasil ainda não constava entre os participantes.

Em um país à deriva dentro da pandemia, com uma total ausência de políticas públicas efetivas para resolução do problema do vírus e uma repressão intensa sobre a população pobre, o governo da direita se mostra somente preocupado com a manutenção de algumas empresas e negócios. Como disse o prefeito de Itabuna, Fernando Gomes de Oliveira (PTC): "morra quem morrer", sobre a abertura do comércio em sua cidade.

O Brasil foi um país que desde o início da pandemia era impossível para maior parte das pessoas realizar o isolamento social. Nos meios de transporte onde milhões de trabalhadores seguiam para seus empregos, que não haviam os dado dispensa, nunca pararam de transitar diariamente pelas cidades. A esquerda pequeno burguesa no entanto se recusava a chamar manifestações contra o governo fascista de Bolsonaro, uma das principais figuras que representa no governo a política da direita genocida. Sob uma ilusão de que todos os trabalhadores estavam ou poderiam estar em “home office” em seguros, espaçosos e higiênicos lares, essa esquerda acusava os atos públicos de “irresponsabilidade”. A situação caminha agora para a eventual total abertura e o incremento da exploração sobre os trabalhadores, isso devido ao silêncio da esquerda parlamentarista.

É preciso quebrar esse engessamento e derrubar o governo, sem frentes amplas com os genocidas que estão sendo camuflados nela como Witzel, FHC, Dória e outros. A esquerda deve derrubar o governo Bolsonaro antes que a crise sanitária se aprofunde ainda mais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas