Há 80 anos do seu assassinato
Por que o PCO reivindica o legado de Trotski
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Mural-Diego-Rivera-Trotsky
Trecho de mural do pintor mexicano Diego Rivera representando Trótski | Foto: Reprodução

Para a maior parte das pessoas, o trotskismo se resume à sua oposição ao stalinismo. É uma maneira simplista de ver as coisas.

O trotskismo é o marxismo dos dias de hoje. Isso porque foi Trotski e não Lênin, e muito menos Marx e Engels, que viveu para poder analisar e elaborar uma política para a etapa imperialista, na qual infelizmente ainda vivemos. 

Lênin analisou o imperialismo em um livro bem conhecido, mas não viveu para ver de perto fenômenos que só se desenvolveram na etapa superior do capitalismo e são típicos dela.

Exemplos importantes são o fascismo e as frentes populares, que Trotski caracterizou como os últimos recursos do imperialismo na luta contra a revolução proletária. 

A política revolucionária diante desses fenômenos, que dominam o panorama político da nossa época, foi definida por ele e nenhum outro.

Trotski também analisou e definiu uma política diante de um fenômeno que para nós, latino-americanos, é fundamental; o nacionalismo burguês. Infelizmente, a esquerda pequeno-burguesa pouco aprendeu de tais experiências. Continua a procurar na burguesia a salvação diante do fascismo e chega a ver a revolução nos governos nacionalistas dos países atrasados, para logo voltar-se contra eles quando o imperialismo fecha o cerco.

Mais ainda, Trotski elaborou o programa para a etapa imperialista, o Programa de Transição, dando aos revolucionários uma poderosa arma para enfrentar a burguesia.

Por fim, frente a falência da Internacional dominada pela burocracia stalinista, Trotski funda a IV Internacional, o partido mundial da revolução proletária.

A existência de Trotski e a militância política que ele nunca abandonou eram uma ameaça para a burocracia soviética, como também para o imperialismo. Seu assassinato, um dos maiores crimes políticos do nosso tempo, ocorre, não por acaso, no início da Segunda Guerra Mundial, que convulsionou profundamente todo o mundo capitalista e poderia ter tido como desfecho a revolução mundial, não fosse a falta de uma direção revolucionária e a política criminosa do stalinismo.

Diante de tudo isso, seu assassinato ganha ainda maior destaque como um ato profundamente contrarrevolucionário. 

Destaca-se também, e é um exemplo a ser seguido, a firmeza de seu caráter diante de toda a perseguição que sofreu por parte da burocracia stalinista. 

A burocracia stalinista voltou todos os aparatos dos partidos comunistas espalhados pelo mundo, bem como todo o poder da máquina estatal soviética contra Leon Trótski, numa tentativa de esmagá-lo. 

Os partidos comunistas, formados pela onda criada pela Revolução Russa que Trotski havia dirigido, foram usados por Stálin como arma contra ele.

Não bastava contestar suas teses. Na luta implacável da burocracia stalinista contra ele, todos os seus erros do passado foram revirados, sua política foi combatida com apelos aos preconceitos e sentimentos mais atrasados das massas e, finalmente, foi acusado das coisas mais infames. Era preciso acusá-lo de ser inimigo da União Soviética, agente do imperialismo, sabotador e todo tipo de absurdos. 

A luta pela revolução é cheia de reveses e não são poucos os que sucumbem diante do poderio da burguesia, que usa todas as armas ao seu alcance para quebrar o ímpeto dos revolucionários ou, quando a situação escapa de controle, inclusive destruí-los fisicamente. Ainda assim o mundo continua assistindo ao surgimento de revolucionários e revoluções.

Mas na luta contra a burocracia soviética, Trotski foi praticamente o único que não sucumbiu.

A força de suas ideias, de sua política, no entanto, foi maior do que as calúnias e a História acabou provando seu acerto (embora ainda haja quem insista no erro).

Diante de tal exemplo, um partido que se reivindica trotskista tem o dever de não abrir mão de suas convicções e não ceder diante da pressão que a burguesia e o imperialismo fazem direta e indiretamente, por maior que seja.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas