A frente ampla
Os setores que apoiam Biden nos EUA querem a mesma manobra feita aqui: uma frente entre o que há de pior na política brasileira, a reboque da direita e de toda a burguesia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Boulos, Dino, Haddad
Dino, Haddad e Guilherme Boulos são as maiores expressões da política de frente ampla na esquerda | Foto: Reprodução

Biden, o candidato do imperialismo norte-americano, se declarou presidente eleito da República dos Estados Unidos da América. Isso, estranhamente, causou uma euforia em diversos setores da esquerda. Além de praticamente toda esquerda pequeno-burguesa norte-americana ter festejado nas ruas, com danças, coreografias, e uma “mobilização” de dar inveja ao PSOL, as ruas se viram tomadas com uma euforia que está em contraste com a realidade extremamente pálida. O ânimo histérico de uma massa de classe média norte-americana chegou aos ares brasileiros. E evidentemente que não foi pelo vento, mas pela intensa propaganda em prol do genocida Biden destacada em todas as páginas dos jornais burgueses pelo mundo, e não seria diferente nas filiais do imperialismo Globo, Folha de S. Paulo, Veja e todo bloco da imprensa golpista no Brasil. 

Afinal, o que está em jogo com Biden é a mesma manobra que tenta, a passos largos, ser organizada pela burguesia que impulsiona a frente ampla.

O que vimos na eleição norte-americana foi uma crise total do imperialismo mundial para impor o seu bloco político. Biden foi a figura onde todos os monopólios se unificaram, do petróleo aos bancos internacionais. A propaganda de toda imprensa capitalista em favor do democrata é um demonstrativo nesse sentido. Biden não era apenas candidato do  imperialismo norte-americano, mas da imensa maioria dos grandes capitalistas internacionais.  E mesmo assim, com um currículo banhado de sangue, tortura e guerra, Biden foi o candidato não só da direita, como de toda esquerda pequeno-burguesa norte-americana. Para que? 

Para derrotar Trump. O “demônio” dos jornais burgueses.

Claro que Trump não poderia ser presidente dos Estados Unidos se não fosse um presidente que representasse alguma parcela da burguesia; mas para o pesadelo do imperialismo, e um alívio momentâneo dos povos oprimidos de todo mundo, a ala da burguesia que o apoiava era a da construção civil e outros setores mais débeis do imperialismo norte-americano e, portanto, mais frágeis no mercado mundial. Trump representava diretamente um setor secundário da burguesia norte-americana. Um setor até mesmo oprimido por outros setores do imperialismo, dentro de todas as alas da burguesia. Porque a política do imperialismo é sobrepor o mercado internacional sobre o mercado interno dos seus respectivos países de origem.  

Diante desse conflito de interesses, a conturbada eleição norte-americana se deu em um impasse. E nesse impasse a esquerda norte-americana deu um “grande exemplo” de frente ampla: para derrotar Trump, o candidato praticamente isolado da direita, se aliou a Biden, o candidato do imperialismo mundial. Um dos pontos de apoio foi a capitulação de Bernie Sanders, que sofreu um golpe interno dentro do partido Democrata e foi retirado em meio a uma enxurrada de dinheiro que saía de Wall Street diretamente para a candidatura de Joe Biden. O interesse da esquerda pequeno-burguesa que defende a frente ampla não é de denunciar um carrasco como tal, mas de usar a tática Biden, ou melhor, o golpe Biden, para fazer a mesma coisa nas eleições presidenciais de 2022. 

Flávio Dino (PCdoB) foi o primeiro a destacar essa vitória da burguesia. E Luciano Huck, o potencial candidato da Rede Globo, que se encontrou com Sergio Moro para lançar sua chapa, o primeiro a concordar. 

Está mais que claro que a manobra antidemocrática da burguesia em relação a Biden impulsionou, sem precedentes, o golpe da frente ampla. Se é possível aliar a esquerda norte-americana com o imperialismo mundial, em meio a uma crise gigantesca, por que não unir a esquerda brasileira atrás da direita golpista?  

É preciso combater essa manobra. Denunciar que ela é absurdamente antidemocrática e que não deve ser aceita em nenhuma condição. É preciso lutar pela candidatura de Lula, pois é a candidatura não aceita pela burguesia, por isso deve-se ter uma dura mobilização para impor essa candidatura, que como disse já uma colunista do Estadão: “a frente ampla é sem PT na cabeça”, colocando diretamente a orientação da burguesia na imprensa burguesa e golpista. Lula é a única candidatura da esquerda capaz de derrotar Bolsonaro, sendo a única saída favorável para os trabalhadores; a frente ampla, por sua vez, é apenas para manter estável o regime político golpista e colocar em marcha o plano de Biden, de destruição das condições de vida do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas