Manobra da direita
O movimento serviu para a direita fazer propaganda contra o governo Dilma
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
capa-cotv-copa-contra-povo
Uma das campanhas do Não Vai ter Copa. | Arquivo.

Em entrevista no canal do DCM no Youtube, na última quarta-feira, dia 22, o candidato do PSOL à prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, ao ser questionado sobre sua participação no chamado “Movimento Não vai ter Copa”, afirmou que “é uma questão de princípios” e que “faria de novo”.

A justificativa de Boulos é que esse movimento, independente do governo Dilma, era formado para denunciar e lutar contra os despejos que estavam acontecendo por conta das obras da Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

Boulos atribui portanto uma reivindicação concreta o movimento: a defesa da moradia. Trata-se de uma falsificação.

A questão da moradia, se é que em algum momento teve importância no movimento, foi cuidadosamente colocada em segundo plano. O teor político daquele movimento era muito claro: um ataque contra o governo Dilma.

Para quem tem dúvidas sobre isso, basta analisar o próprio nome do movimento: “Não vai ter Copa”. Um movimento é formado por determinadas palavras de ordem. Em geral, ele se unifica em torno de uma reivindicação central que aparece sintetizada numa determinada fórmula. E qual era essa reivindicação central: “Não vai ter Copa”, não era “contra os despejos”.

Desse modo, o movimento se tornou facilmente um alvo fácil de manipulação da direita. Basta lembrar que os jornais da imprensa golpista na época, já imbuídos na campanha contra o governo do PT, davam enorme destaque à turma de Guilherme Boulos que saía na rua.

E por que essa palavra de ordem era facilmente manipulável? Justamente porque seu teor político é muito genérico. Por que não deveria ter Copa? Depende do interesse de quem está usando tal palavra de ordem. Para a direita golpista, a Copa deveria ser um fracasso para não servir de propaganda para Dilma. Para alguns esquerdistas, poderia ser interpretado como uma luta contra a política dos capitalistas na Copa. Para outros, ainda, poderia ser uma campanha contra o futebol e a Copa do Mundo por si só.

Boulos em nenhum momento chegou a esclarecer tal confusão. Pelo contrário, reafirmava e jogava o movimento contra o governo Dilma.

Voltando à imprensa golpista, foi na mesma época que Boulos teve um espaço garantido semanalmente na Folha de S. Paulo onde escrevia artigos impulsionando o “Não vai ter Copa” e atacando o governo Dilma por políticas como o ajuste fiscal.

Por último, o cenário desse movimento, que aconteceu entre o segundo semestre de 2013 e o início de 2014, eram as eleições presidenciais de 2014. Ali, a direita, já decidida a derrubar Dilma, tentava sua investida golpista na eleição. Essa tentativa foi frustrada, o que obrigou a direita a utilizar o golpe do impeachment em 2016.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas