A destruição de um jornal
DCO sofreu no último mês um empastelamento virtual, que visava destruir nossa imprensa.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
empastelamento-ot0jvz5w3cqykk4y0uuumf5y08xyn0ivie7rlijvhc
Uma estratégia antiga responsável por atacar fisicamente uma imprensa. | Foto: Reprodução

O Diário Causa Operária sofreu um ataque hacker no dia 18 de julho, que buscou destruir virtualmente o jornal. Mais de 4 mil matérias foram apagadas e as configurações do site intensamente afetadas. O objetivo do ataque era acabar por completo com um dos mais atuantes jornais virtuais da esquerda brasileira.

Esta ação organizada pela extrema-direita, foi prontamente denunciada pelo Partido da Causa Operária (PCO), que a caracterizou como um empastelamento virtual. Contudo, este termo está longe de ser uma novidade na imprensa brasileira, sobretudo de esquerda.

O uso da palavra “empastelamento” surgiu ainda quando os jornais impressos eram fabricados por tipografias referindo-se a mistura dos tipos, e outros elementos de impressão, durante a montagem do jornal, o que alterava todo o produto final. A ação de “empastelar”, era utilizada pelos aparatos de repressão ao invadir as gráficas, danificando os equipamentos e materiais.

Ao invadir-se uma tipografia, a repressão abria as gavetas de tipos e esparramava as letras de chumbo no chão. Tais letras, para serem efetivamente reorganizadas, passavam por um processo de meses de trabalho. Sendo assim, o termo firmou-se no vocábulo português como a destruição e violência contra jornais.

Na história brasileira, diversos motivos e formas foram utilizadas para fazer tal processo. Em 1897, plena revolta de Canudos, os jornais Liberdade e Gazeta da Tarde, ambos cariocas, foram atacados pelo Segundo Reinado, governo que iniciou a prática no país.

Já o Momento, órgão do Partido Comunista na Bahia, seria empastelado décadas depois pelo governo de Otávio Mangabeira, e posteriormente, na Ditadura Militar, a prática ficou conhecida não pelo ataque direto às gráficas, mas sim, pelo ataque às bancas que vendiam as edições impressas.

Com o desenvolvimento da internet, o termo foi ganhando mais ampla conotação, e assim, passou a também se referir aos ataques virtuais que, ou buscam destruir e apagar sítios, como também, embaralhar sistemas de sinais eletrônicos.

Dessa forma, o Diário Causa Operária foi atacado neste último mês. A ação é extremamente grave, e representa, como nos tempos anteriores, a tentativa de destruir toda uma imprensa. Pior que apenas uma censura, o ataque tem como intuito a destruição de um jornal que representa a luta revolucionária no país, reforçando a ditadura que desenvolve-se em nível federal.

Após este ataque, o Diário Causa Operária passou a receber milhares de declarações de apoio à nossa imprensa, como também, na defesa da luta contra o fascismo. Para acessa-los, pasta consultar em nossa página inicial ou acessar as versões em vídeos, centralizadas em uma playlist da Causa Operária TV:

https://www.youtube.com/watch?v=oqnRqICkVao&list=PL6exWLai3Il3CR41nAEuJWxSgd8DSUg9J

Participe também da campanha de apoio ao DCO, mande para nós o seu depoimento!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas