Dois pesos, duas medidas
Pré-candidatura de Marília Arraes, no Recife, não recebeu o mesmo apoio entusiasmado que a esquerda pequeno-burguesa entregou a Guilherme Boulos, em São Paulo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
marilia arraes
Marília Arraes | Foto: Reprodução

Na última sexta-feira (31), o Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) aprovou, de maneira definitiva, a pré-candidatura de Marília Arraes à prefeitura de Recife para as eleições de 2020. A decisão repercutiu em todo o País; afinal os conflitos entre a base do PT, que apoia Marília Arraes, e a ala direita do partido, que queria um acordo com o PSB em Recife, são uma das expressões mais patentes da crise interna da organização.

A aprovação não significa uma vitória permanente de Marília Arraes sobre a ala direita do PT, que tem, em Pernambuco, o senador Humberto Costa como principal representante. Foi deliberado que os filiados do PT que ocupam cargos na Prefeitura do Recife e Governo de Pernambuco, ambos comandados pelo PSB, poderiam permanecer onde estão.

É fato que a crise no interior do partido era tão grande que a direita não conseguiu impedir a pré-candidatura de Marília Arraes. No entanto, a burguesia segue procurando sabotar a petista a todo o custo. Nada mais natural, uma vez que Arraes esteve envolvida com a luta contra o golpe e a luta pela liberdade de Lula, além de ser apoiada pela base lulista do partido. O que chama a atenção, contudo, é que a esquerda e setores considerados como “aliados” da esquerda estão seguindo a política da direita para afundar a pré-candidatura de Marília Arraes.

O PSB, partido que apoiou o golpe de 2016, não vai apoiar Marília Arraes. Até aí, já é natural, uma vez que o partido tem a máquina pública nas mãos e não tem maiores compromissos com o PT. Mas não será esse o único adversário. O PDT, partido que é apresentado muitas vezes como um “aliado” da esquerda, decidiu, na semana passada, lançar uma candidatura própria, a do deputado federal Túlio Gadêlha.

O caso mais aberrante é o do PCdoB, talvez o partido que, nacionalmente, mais se coligou com o PT durante as eleições. Segundo declarações da presidenta nacional da legenda, Luciana Santos, o PCdoB deverá apoiar a candidatura do PSB em Recife. Até agora, não há uma definição.

O PSOL, atipicamente, declarou apoio a Marília Arraes. Segundo o que se especula na própria imprensa golpista, isso seria parte de um acordo para que o PT apoiasse a candidatura de Edmilson Rodrigues (PSOL), em Belém. Um setor do PSOL, do qual o ex-deputado federal Paulo Rubem faz parte, tem se colocado contra a decisão no Recife.

Seja como for, mesmo até que o PCdoB venha a declarar apoio à candidatura de Marília Arraes, é nítido que não há uma campanha sendo feita para que se forme uma “frente de esquerda” em torno da pré-candidatura petista. Uma situação diametralmente oposta ao que se vê em São Paulo, quando a esquerda pequeno-burguesa, impulsionada pela própria imprensa burguesa, tem feito campanha em defesa da “frente de esquerda” encabeçada por Guilherme Boulos.

O acontecimento só comprova que a “frente de esquerda” é apenas uma palavra de ordem para tentar forçar o PT a apoiar candidaturas artificiais da esquerda pequeno-burguesa, que servem apenas para cumprir os interesses circunstanciais da burguesia. Quando a força de uma candidatura do PT é incontestável, ninguém fala em “frente de esquerda”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Whatsapp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Relacionadas