Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Depois de marcar a audiência de julgamento em segunda instância de Lula em tempo recorde, furando a fila de processos que deveriam precedê-lo na pauta e evidenciando a perseguição contra o líder absoluto nas pesquisas para o Planalto em 2019, o presidente do Tribunal Regional Federal da 4º Região (TRF4), desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, convocou reunião para esta segunda-feira (15), às 10h, com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármem Lúcia, para discutir o esquema de segurança em relação ao julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para o dia 24 de janeiro, na cidade de Porto Alegre.  O encontro acontecerá no gabinete da ministra em Brasília.

No último sábado, dia 13, os desembargadores informaram que estão sofrendo “ameaças” por telefone, carta e pelas redes sociais. A Polícia Federal informou que está investigando o caso, mas não deu maiores informações. Em função do acúmulo de cargos que o presidente do STF faz em relação a presidência do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Carmem Lúcia também é responsável pelo departamento que trata exclusivamente da segurança de juízes e desembargadores.

Trata-se de um medo de toda a burguesia. A candidatura de Lula não é apenas mais uma candidatura de esquerda, mas sim, a única capaz de derrotar a direita nas eleições de 2018. O futuro do golpe depende de sua institucionalização, ou seja, dar uma aparência de legitimidade para o governo golpista, coisa que até agora, quase dois anos depois do golpe, ainda não conseguiram fazer, e as eleições seriam uma grande oportunidade para esse objetivo.

Qualquer pleito sem o maior líder popular da América-latina representará a mais absoluta e completa fraude eleitoral.

O grande medo dos desembargadores gira em torno de até onde vai a paciência do povo, que viu o País sofrer um golpe de Estado, sucedido por medidas completamente impopulares, que afetarão sobretudo a camada mais pobre da população, e que agora veem que seu principal candidato pode não disputar a corrida presidencial deste ano. O grande medo dos desembargadores é que o povo perca a esportiva.

As organizações representantes dos movimentos operários preparam um poderoso ato em defesa de Lula para a data do julgamento em frente ao Tribunal Regional Federal da 4º Região, na cidade de Porto Alegre. Nesse sentido, o PCO – Partido da Causa Operária – convoca a todos para não apenas irem pessoalmente ao mega ato defender esta causa de importância sem precedentes, como também mobilizar o máximo de pessoas possível.

Nesse sentido, também, o PCO está fazendo uma grande campanha financeira para levar dezenas de ônibus para a Capital gaúcha. Precisamos que o ato reúna o máximo de pessoas possível, e sem dúvida Porto Alegre terá, no dia 24 de janeiro, a maior manifestação que aquela cidade já viu.

Contribua para a vaquinha das caravanas do PCO em defesa de Lula! 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas