Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Poder Ideias - Almoço com o pré -candiadato a Presidência da República, Dep. Jair Bolsonaro, no rastuatente Piantella. Brasília, 08-05-2108. Foto: Sérgio Lima/Poder 360
|

O aprofundamento do Golpe de Estado no Brasil tem sido acompanhado de um aprofundamento da crise do regime político burguês, que a cada novo fato político se torna ainda mais desmoralizado diante da população. O Golpe que derrubou Dilma Rousseff em 2016 colocou no lugar do governo petista um governo extremamente impopular liderado por Michel Temer e que levou adiante uma política de profundos ataques contra os direitos trabalhadores e suas condições de vida. Vimos também o crescimento da mobilização popular contra o regime nascido do Golpe e houve uma intensificação da polarização política no país que colocou imensos obstáculos para o avanço dos interesses da burguesia.

Apesar desse crescimento, a confusão e o oportunismo das direções das organizações esquerda não possibilitaram que o movimento contra o Golpe e contra o regime golpista evoluísse até suas últimas consequências, e muitos foram os esforços para canalizar a insatisfação e revolta popular para o campo eleitoral. Nesse sentido, a ala mais oportunista da esquerda defendeu a tese de que era necessário “virar a página do Golpe” e propunha que o movimento deixasse de lado a luta pelos seus interesses em nome da garantia da estabilidade do regime burguês.

As eleições vieram e a esquerda protagonizou mais um show de horrores, capitulando vergonhosamente diante da perseguição política e cassação dos direitos políticos do ex-presidente Lula. Ao invés de enfrentar os golpistas e levar adiante a candidatura de Lula, a esquerda aceitou as arbitrariedades do judiciário dominado pela extrema direita e o substitui por Fernando Haddad, elemento que representava a ala direita do Partido dos Trabalhadores e que foi derrotado por Bolsonaro no segundo turno. A eleição foi marcada pela escandalosa fraude eleitoral, que contou com a prisão de adversários, a cassação dos direitos de milhões de eleitores e a repressão do aparato policial contra a campanha dos candidatos da esquerda.

Da fraude eleitoral e da capitulação da esquerda surgiu o governo do elemento fascista Jair Bolsonaro, cuja base de apoio se resume aos elementos mais reacionários da política e aos aparatos de repressão do Estado burguês (policia, Forças Armadas, etc.). Em pouco tempo de governo vimos se aprofundar ainda mais a crise do regime e a palavra de ordem “Fora Bolsonaro” passou a ecoar em todos os cantos do país, inclusive na maior festa popular que é o carnaval, na qual foram milhares as expressões contra o regime e pelo fim do governo Bolsonaro.

No entanto, a esquerda, que propôs “virar a página do Golpe”, agora se nega a apoiar o Fora Bolsonaro e se esconde por trás de campanhas demagógicas para não apoiar o que é um desejo real da população. Isso ocorre porque o movimento de esquerda se encontra totalmente dominado por uma política reformista e pequeno-burguesa que coloca a solução para os problemas da população como sendo uma tarefa parlamentar.

Para a maior parte da esquerda e para as direções das organizações do movimento operário, o regime político burguês é tido como algo “sagrado”, mesmo que ele seja totalmente controlado pela extrema direita que derrubou o governo petista por meio de um Golpe de Estado. Esse setor é profundamente comprometido com a demagogia da democracia burguesa e se recusa a chamar o “Fora Bolsonaro”, pois reconhecem sua vitória eleitoral (que só foi possível pela fraude total do processo) como legítima. Para esse grupo de organizações e para suas direções, a manutenção dos cargos parlamentares e a estabilidade do regime político é a tarefa número um e para isso estão dispostos a se adaptarem cada vez mais ao avanço da extrema direita em detrimento dos interesses da população.

No momento em que se recusa a impulsionar o “Fora Bolsonaro” essa ala oportunista da esquerda abre mão de disputar o poder político e permanece no cenário nacional apenas como um elemento demagógico e vazio de conteúdo real. A fragilidade e debilidade do governo nesse momento, em que a insatisfação popular cresce e toma corpo nas ruas, é a oportunidade de aprofundar a polarização política e impulsionar cada vez mais a mobilização generalizada contra o regime golpista de conjunto e de possibilitar uma vitória, mesmo que parcial, do conjunto dos explorados. Ao não chamar o “Fora Bolsonaro” a esquerda pequeno-burguesa oportunista acaba servindo de suporte, mesmo que não intencionalmente, de um regime falido e em frangalhos e coloca um freio para mobilização popular que não encontra vazão para suas insatisfações nas organizações de esquerda.

Esse é o caso por exemplo do candidato que substituiu Lula nas eleições, Fernando Haddad, que parabenizou Bolsonaro pela vitória e desejou a ele boa sorte em seu governo. Outro elemento oportunista do PT, Washington Quaquá (presidente do PT fluminense), defendeu que o partido deveria “deixar Bolsonaro governar até o fim” e o pedir a sua saída seria uma bobagem. Já o candidato do PDT, Ciro Gomes, reconheceu também a vitória de Bolsonaro como sendo legítima e fez questão de dizer que não iria “violar o respeito”, ou seja, que não iria se colocar contra o governo mesmo que ele seja um governo de massacre da população. Guilherme Boulos, do PSOL, que também foi candidato à presidência em 2018 reconhece que Bolsonaro foi eleito presidente, e se recusa a denunciar a fraude nas eleições garantindo assim a legitimidade do governo da extrema direita.

Declarações como esta deixam claro que o combate à extrema direita e à sua politica de guerra contra o povo não é uma prioridade para uma parte da esquerda, que se recusa a fazer um enfrentamento real com o regime golpista e propõe que o povo aceite a ditadura que a direita vem implantando no país, mas não deixam de provar que levantar esta palavra de ordem seja o caminho correto.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas