Dissimulação
Esquerda faz campanha afirmando que as eleições é um campo de luta favorável para a esquerda e que pode mudar a relação de forças. Nada mais enganoso
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
urna
As eleições estão completamente controladas pela direita golpista. | Imagem: reprodução

Os partidos da esquerda e suas lideranças estão apostando todas as suas cartas nas eleições municipais deste ano, torcendo para eleger alguns parlamentares e mudar a situação política do país.

Essa crença é totalmente falsa e somente vai levar a esquerda para mais uma derrota. A justificativa da esquerda em esconder a real situação política para a esquerda nessas eleições tem como base uma concepção pequeno burguesa, em que um dos motivos é a descrença na mobilização dos trabalhadores para mudar a situação.

Nesse sentindo, as lideranças da esquerda pequeno burguesa fazem uma enorme campanha sobre a possibilidade de vitória nas eleições para ‘derrotar’ o bolsonarismo como uma tentativa de animar sua militância. Apesar de ter supostamente um objetivo nobre, leva a uma enorme confusão entre o movimento de luta contra o golpe e a mais derrotas diante da direita.

Ao contrário da fazer análises para “animar a tropa”, é preciso ter uma leitura e tomar decisões o mais próximo da realidade possível. A situação é extremamente desfavorável para a esquerda, e no campo eleitoral é quase que nulo. Isso podemos ver analisando a situação política no Brasil e não podemos fechar os olhos para o que ocorre no mundo, e com olhar especial para a América Latina.

A esquerda se confunde quando analisam o panorama eleitoral devido a determinadas vitórias eleitorais da ‘esquerda’, mas que essas vitórias são de elementos muito adaptados ao regime e, de maneira geral, são apoiadas por setores da burguesia para o regime político desses países desmoronarem. É o caso da Argentina.

A esquerda fecha os olhos para outros exemplos em países onde se deram golpes, muito comum no nosso continente, caso a burguesia não aceite o candidato da esquerda, como por exemplo na Bolívia e no Equador. As eleições são controladas pela burguesia e vão encontrar maneiras de manobrar e impedir a vitória da esquerda da maneira que acharem necessária.

Isso porque a crise do sistema capitalista se acentua cada vez mais e com isso a polarização também se acentua, ou seja, o conflito entre os trabalhadores e a burguesia se intensifica. Tem que ficar claro que diante da crise, a burguesia não vai aceitar de maneira nenhuma que as forças de esquerda saiam vitoriosas de maneira tranquila. Não é por acaso que a burguesia conta com uma carta na manga para combater os trabalhadores, o fascismo.

As direções do movimento operário continuam com ilusões no regime político democrático burguês, afirmando que a esquerda vai para as eleições e isso vai resolver o problema. Mas na verdade o que está se disseminando é uma ilusão na maioria do povo em uma maneira que não vai obter nenhum resultado positivo para os trabalhadores e apenas conduzir para mais uma derrota acachapante.

As eleições que sempre foram antidemocráticas, nesse momento são ainda mais. Os partidos pequenos não têm espaço para divulgação nas rádios e na TV, tempo de campanha extremamente curto, controle total da internet, campanha contra partidos de esquerda. Ou seja, campo antidemocrático controlado pela burguesia golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas