Por isso a guerra contra a China: receita da Apple cai, e a da Huawei sobe

huawei-apple

Da redação – Quarta-feira (2), a Apple anunciou uma queda na expectativa de receita para o primeiro trimestre de 2019. A projeção, que antes era de entre US$89 bilhões e US$93 bilhões, passou para US$84 bilhões. Uma receita gigantesca, mas a queda anunciada provocou uma queda também das ações da empresa, de 7%. Esse é mais um fator que indica o perigo do estouro de uma “bolha tecnológica” no mercado financeiro, pelo fato de a especulação em torno dessas empresas se muito artificial.

Por outro lado, uma concorrente chinesa da Apple apresentou notícias muito diferentes. Trata-se da Huawei, que ultrapassou a Apple ano passado na venda de celulares e agora apresentou um aumento de 21% em sua receita durante 2018 em relação a 2017. Foram US$108,5 bilhões. Ainda bastante atrás da Apple, mas com uma grande expansão, apesar da expulsão dos mercados de infraestrutura de vários países.

A expansão da Huawei diante da queda de receita de uma gigantesca empresa imperialista explica a guerra do imperialismo contra a empresa chinesa. No começo de dezembro, a executiva e herdeira da Huawei Sabrina Meng foi presa no Canadá correndo risco de ser extraditada para os EUA. A executiva só foi liberada sob uma fiança de US$1 milhão. As acusações eram de que a Huawei teria mentido sobre o cumprimento de restrições de vendas para o Irã, por causa das sanções econômicas impostas pela UE e pelos EUA.

Na ocasião, a imprensa ligada ao governo chinês denunciou que se tratava de uma perseguição, de que a Huawei estava sendo vítima em uma tentativa de impedir sua expansão no mercado. O conflito entre o imperialismo e a burguesia nacional dos países atrasados foi um dos principais motivos para os golpes patrocinados pelo imperialismo no mundo inteiro no último período.