Política nazista: Bolsonaro compara índios a animais em zoológico

Na última sexta-feira (30) em Cachoeira Paulista (SP), o presidente eleito pelo golpe de estado, Jair Bolsonaro, afirmou que a demarcação de terras indígenas e propriamente a permanência dos índios em reservas seria a mesma coisa que mantê-los em um zoológico. A colocação  do presidente ilegítimo nos remete à política nazista, que tem como característica primeira o desprezo por outras etnias e assim as inferioriza, despreza, ataca e, quando pode, as extermina.

Ao fazer essa comparação, Bolsonaro, confirma a tese de que esse é o tratamento que deve ser dado aos índios e que  é a que ele defende. Na visita que realizava, ao responder pergunta de um jornalista com relação ao Acordo de Paris, dentro de sua resposta ficou claro seu ataque aos indígenas, quando fala que há excesso na demarcação de terras indígenas e de reservas ambientais e que consequentemente o índio quer a mesma coisa que “nós” queremos.

A todo momento em suas declarações, Bolsonaro sempre deixou sua posição explícita, e que corrobora com o massacre da população indígena que vai de comum acordo com a ação do latifundiários que promovem um verdadeiro massacre contra a população no campo e contra o povo indígena.

É fato que esse setor hoje declara total apoio ao governo ilegítimo de Jair Bolsonaro, e isso se deve justamente pelo fato de que  os mesmos sabem que estão amparados pela política nefasta que compõe a agenda do representante da extrema-direita.

É preciso reafirmar, o papel de Bolsonaro, é o de dar continuidade a agenda do golpe, suas declarações simplesmente confirmam aquilo que os golpistas e latifundiários já disseminavam: um feroz ataque contra o povo indígena e os trabalhadores rurais. Contra o avanço dessa política de massacre, é preciso organizar a reação popular, organizar a luta para garantir o direito a terra e preservação e demarcação dessas terras.