Siga o DCO nas redes sociais

Política imperialista para o Irã: asfixia econômica e cerco militar
IRAN-US-CONFLICT-DEMO
Política imperialista para o Irã: asfixia econômica e cerco militar
IRAN-US-CONFLICT-DEMO

As sanções dos Estados Unidos ao Irã estão atingindo “deliberadamente civis inocentes” e equivalem a terrorismo econômico, nas palavras do ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif.

Ele também declarou na ONU que o Irã precisava de mísseis balísticos para se proteger de invasores estrangeiros apoiados pelos EUA – um arsenal que os Estados Unidos argumentam que deve ser cortado.

As tensões entre o Irã e os Estados Unidos aumentaram drasticamente depois que Donald Trump se retirou unilateralmente do acordo nuclear de 2015 entre Teerã e potências mundiais e voltou a impor sanções, colocando a economia iraniana em queda livre.

Trump considerou o acordo nuclear unilateral, mas durante anos impediu o Irã de desenvolver uma bomba atômica.

As sanções exacerbaram uma crise econômica que fez despencar a moeda iraniana e também impediram que bens essenciais como remédios entrassem no país. Os iranianos enfrentam uma grave escassez e inflacionam os preços do que ainda está nas prateleiras das lojas.

À medida que as dificuldades econômicas se aprofundam, cerca de 30% dos pacientes agora compram medicamentos sem prescrição médica, porque as pessoas não podem pagar os médicos.

O Irã não tem escolha senão fabricar mísseis para fins de defesa, disse Zarif. Ele disse em uma entrevista à NBC News que se os EUA quiserem falar sobre os mísseis do Irã, ele precisa “primeiro parar de vender todas essas armas, incluindo mísseis, para a nossa região”.

Há muito tempo que o Irã rejeita as negociações sobre seu programa de mísseis balísticos, que permanece sob o controle da Guarda Revolucionária paramilitar iraniana, que responde apenas ao líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei.

Zarif citou a guerra Irã-Iraque dos anos 1980, na qual os EUA apoiaram o ditador iraquiano Saddam Hussein com armas e logística. A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e outros rivais regionais do Irã recebem regularmente remessas de bilhões de dólares dos Estados Unidos.

O Irã recentemente começou a superar os limites de enriquecimento de urânio estabelecidos no acordo nuclear, aumentando a pressão sobre seus parceiros europeus para encontrar maneiras de contornar as sanções dos EUA, especialmente para as vendas cruciais do petróleo iraniano.

“No final do dia, eles estão permitindo que os Estados Unidos definam a agenda. Não sei se isso é do interesse dos europeus”, declarou Zarif.

Além disso, Zarif também disse que as fortes restrições de viagem dos EUA aos diplomatas iranianos e suas famílias que vivem em Nova York são “basicamente desumanas”. Eles estão restritos a viajar da ONU, da missão iraniana da ONU, da residência do embaixador iraniano da ONU e do aeroporto John F Kennedy.

Enquanto o Irã retoma aspectos de seu programa nuclear, os EUA prometeram que Teerã nunca poderá desenvolver uma arma nuclear. O impasse se intensificou a ponto de Trump estar à beira de ordenar que seus militares iniciassem um ataque ao Irã depois que a Guarda Revolucionária derrubou um drone norte-americano no mês passado.

Os EUA enviaram milhares de soldados adicionais, um porta-aviões, bombardeiros nucleares B-52 e aviões de combate avançados para o Oriente Médio em meio a ameaças não especificadas do Irã.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse em uma entrevista para uma rádio acreditar que o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, está “controlando todos os planos, 100% deles” em questões estratégicas importantes.

Só falou o óbvio ululante. O Irã está sendo pressionado pelo imperialismo, que outra atitude deveria ter? Deveria ameaçar os EUA ou Londres com um ataque militar? É evidente que os líderes do Irã apenas estão se defendendo do terrorismo de Estado dos norte-americanos.

É o Irã que está sendo agredido, está sofrendo sanções, embargos, seus navios estão sendo bloqueados no mundo, inclusive no Brasil (onde vieram trazer ureia e deveriam voltar com milho, pois o Irã é o maior comprador de produtos brasileiros no Oriente Médio) e Trump já está até enviando tropas para ficar de prontidão na vizinha Arábia Saudita.

A única arma que o Irã tem é manter Israel como refém. Autoridades iranianas já avisaram que, caso os EUA ataquem militarmente o país, Israel não durará meia-hora.