“Mal menor”
A adaptação cada vez maior da esquerda à direita leva a que a esquerda vote em um golpista na Câmara dos Deputados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Rodrigo Maia e Bolsonaro
Bolsonaro e Maia | Arquivo.

Está em destaque na política nacional o debate sobre os apoios à candidatura à presidência da Câmara dos Deputados. Os golpista se dividiram entre uma ala ligada à direita tradicional, liderada pelo atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM), e Arthur Lira, do PP, apoiado por Bolsonaro e setores do chamado “Centrão”.

Trata-se aqui, obviamente, de uma divisão entre quem irá assumir as mesa diretora da Câmara para levar adianta os ataques contra o povo, dando continuidade ao processo golpista. Não há nada de essencialmente diferente entre um e outro grupo dos golpista.

A única saída para a esquerda parlamentar, mesmo do ponto de vista das manobras institucionais, seria apresentar um candidato próprio, no caso do maior partido na Câmara, o PT. Não cabe à oposição fazer parte e dar sustentação e nenhuma das alas do golpe. Tal política seria se colocar a reboque da direita e fortalecer qualquer uma das alas golpistas e assim os ataques contra o povo.

Mas a esquerda parlamentar está novamente buscando a adaptação ao regime golpista, discutindo o “mal menor” para a presidência do Congresso Nacional. Quem pressiona por essa política são os setores que defendem a frente ampla, que estão preparando a mesma capitulação política para as eleições de 2022.

Os jornais apresentam uma divisão interna do PT em torno desse debate. Uma ala esquerda rejeita o apoio a qualquer “mal menor”, a maior parte da ala direita do partido está pressionada a apoiar Rodrigo Maia, justamente um dos principais nomes da frente ampla. Há ainda um setor que flerta com o candidato apoiado pelo bolsonarismo, Arthur Lira.

O debate tem causado um crise interna no PT. O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) criticou o apoio de um setor petista ao candidato de Bolsonaro e chamou o lançamento de um candidato de oposição. A posição de Correia, no entanto, não deixa claro que candidato seria esse de oposição. Pressionado pelos setores que defendem o apoio a um candidato da burguesia golpista, a maior parte da direção do PT parecer sequer considerar a opção de um candidato próprio, que chamasse os demais partidos da esquerda a darem apoio. Uma candidatura que denunciasse o golpe e os ataques contra o povo.

Outra demonstração da crise no PT e da tendência de setores do partido a apoiarem Arthur Lira é a declaração do ex-presidente do partido, Rui Falcão nas redes sociais: “O PT não pode votar no candidato do governo”.

Um dos vice-presidentes do PT, Washington Quaquá, aponta para o apoio a Lira. El “é o candidato do centrão. O centrão tem um acordo com o Bolsonaro. Pode ter um acordo com a gente também”, afirma, segundo informa reportagem de O Globo de 15 de dezembro.

A pressão da frente ampla fica clara pelo posicionamento da revista Carta Capital, uma espécie de porta-voz da frente ampla, “Oposição terá que escolher o mal menor na eleição da Câmara”. Para a revista, a esquerda está obrigada a votar num dos golpistas porque não tem condições de lançar candidatura própria, pois não ganharia a votação.

A posição da revista deixa claro o real fundo do debate sobre a presidência da Câmara que é justamente a ação dos setores petistas que defendem a frente ampla para a escolha do “mal menor”.

Conforme avança o golpe e o controle cada vez maior das instituições pela direita, a esquerda foi sendo envolvida nas manobras e fraudes, se colocando a reboque das iniciativas da direita. As eleições municipais foram a mais recente demonstração dessa nulidade política da esquerda.

Diante da derrota acachapante, a esquerda partiu para a política do “mal menor”. Votaram, assim, na direita golpista como Eduardo Paes (DEM), para derrotar bolsonaristas; mas também votaram em bolsonaristas contra bolsonaristas. O “mal menor” revela-se uma política cujo único resultado é fortalecer qualquer uma das alas da direita, inclusive a política de Bolsonaro, já que são os setores considerados como “mal menor” são na realidade os pais do golpe e do bolsonarismo.

Na Câmara dos Deputados é exatamente a mesma coisa. A política do “mal menor” está levando a esquerda a votar num candidato da direita. Se for Arhur Lira, no candidato escolhido por Bolsonaro, se for no candidato de Maia, será aquele que dará continuidade à política de ataques levada adiante por Maia.

Qual seria, então, o “mal menor”? O bolsonarista ou aquele que levou adiante todas as políticas contra o povo ao mesmo tempo ignorou todos os pedidos de impeachment contra Bolsonaro?

Essa política submissa da esquerda visa à mesma manobra nas eleições presidenciais de 2022, a escolha de um “mal menor” em nome de derrotar Bolsonaro. E assim a situação vai cada vez mais à direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas