EUA e a pena de morte das ruas
É o segundo caso em que a polícia criminosa mata um homem negro por asfixia enquanto se debate e diz que está sem ar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
images (9) (1)
Cena real da morte criminosa | FOTO: DARNELLA FRAZIER

Circulam vídeos e imagens na rede, onde um homem norte americano negro, identificado como George Floyd, de 40 anos, se debate no chão, enquanto tem o joelho de um policial branco em seu pescoço e diz repetidamente: “Não consigo respirar”.

Em poucos instantes ele parece não se mexer, antes de ser colocado em uma maca e transferido para uma ambulância.

O homem negro faleceu, nitidamente, por uma pena de morte aplicada pelo policial fascista. Porém, em nota, a polícia local disse que Floyd morreu “após um incidente médico durante uma interação policial”.

Testemunhas pedem ao policial que retire o joelho do pescoço do homem, observando que ele não estava se mexendo. Alguns dizem que “seu nariz está sangrando”, enquanto outro pede: “Saia do pescoço dele”.

O nível de cinismo dos assassinos é absurdo. Os policiais afirmaram que o homem parecia ter problemas médicos. E o que se faz nesses casos? Coloque o doente no chão e cure-o com o seu joelho na garganta do mesmo.

A morte do jovem gerou revolta em comunidades negras e a polícia usou bombas de gás lacrimogênio contra manifestantes na terça-feira, em Minneapolis.

A polícia está matando com aval da extrema direita e da justiça, tanto nos EUA quanto no Brasil.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas