Fotos nos jornais, lembra 64?
Falsificações e campanhas na imprensa capitalista foram usados para prender o camponês Charles Aguimar Rosa
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
LCPRONDONIA
Famílias da LCP em cerco montado | Foto: Reprodução

Falsificações e campanhas na imprensa capitalista foram usados para prender o camponês Charles Aguimar Rosa, 39 anos, da LCP (Liga dos Camponeses Pobres).

O camponês Charles Aguimar foi preso em Vale do Paraíso, após apresentar-se à polícia ao tomar conhecimento que estava sendo acusado de ter participação na morte dos policiais no distrito de Nova Mutum-Paraná.

Outros membros da LCP foram presos ou estão sendo considerados como foragidos.

A Polícia Civil e a PM de Rondônia estão acusando qualquer camponês que já tenha sido acampado ou parado em alguma blitz, mesmo que a blitz tenha ocorrido há vários anos.

Charles já está há vários anos morando em Vale do Paraíso com sua família, trabalha de pedreiro e tomou conhecimento que sua foto estava sendo divulgada na imprensa como foragido.

Ele procurou a polícia para saber o motivo, já que há vários anos mora em Vale do Paraíso que fica a aproximadamente 500 km de distância de Nova Mutum-Paraná, mesmo assim Charles foi preso.

O que está claro é que a PM-RO está aproveitando da subida ao poder da extrema direita para perseguir e criminalizar os camponeses e o direito de lutar pela terra.

A imprensa golpista local, trabalhando em conjunto com o aparato policial, é usada como órgão de divulgação de fotos como acontecia na época da ditadura militar de 1964.

Fotos são estampadas nas páginas desses pseudo órgãos de imprensa para colocar a população contra esses camponeses mostrando-os como perigosos assassinos impiedosos.

A LCP luta a vários anos  pela conquista da terra e apesar de sempre ter havido repressão e assassinatos de seu membros viu os ataques se intensificarem desde o golpe de estado de 2016.

Os que lutam pela terra tem de intensificar a luta e se organizar para se defenderem, assim como fazem os companheiros da LCP, pois não haverá paz no campo enquanto o latifúndio não for extinto.

MST, LCP, FNL e todas as entidades de luta pela terra devem unificar suas ações e formar milícias armadas para se defender dos ataques covardes do aparato repressivo do estado, seja polícia, judiciário, impressa ou suas milícias fascistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas