Luta pela terra
Forças repressivas do Estado perseguem trabalhadores camponeses do acampamento Manoel Ribeiro que não se intimidam
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Resistencia
Trabalhadores do acampamento Manoel Ribeiro não se intimidam com ação policial | Foto: Resistência camponesa

Trabalhadores do acampamento Manoel Ribeiro, em Rondônia, sofrem perseguição das forças repressivas do Estado burguês. 

Os trabalhadores camponeses denunciam que após as eleições a perseguição tem se intensificado. A intimidação tem ocorrido pelo grupo de operações especiais da polícia militar juntamente com a polícia civil. 

Os trabalhadores camponeses denunciam que essas forças repressivas circulam pelo território abordando camponeses nas estradas e moradores da região e bares. Segundo eles uma viatura foi identificada e outra estava à paisana no dia 04 de dezembro, data que realizaram abordagens intimidatórias nos estabelecimentos portando armas pesadas. Nessa ocasião, fotografaram documentos pessoais dos presentes e tiraram fotos dos rostos do pessoal pegando, também,  números telefônicos. 

Os camponeses denunciam que nas abordagens feitas pelos policiais deixam claro o ódio aos pequenos trabalhadores rurais e Sem Terra. Buscam, constantemente, criminalizar a luta pela terra e, nos questionamentos durante as abordagens, perguntam se os trabalhadores conhecem o Acampamento Manoel Ribeiro, os moradores de lá e a Liga dos Camponeses Pobres. Também fazem questão de deixar evidente suas opiniões sobre os camponeses. Ofendem os trabalhadores afirmando serem todos vagabundos e que roubam terras alheias. 

Diante de tudo isso, camponeses não se intimidaram. No mês de Outubro em que também ocorreu ação policial intimidatória na região e no Acampamento Manoel Ribeiro, um grupo de acampados foi até a frente da ocupação onde estavam as viaturas vigiando o local e proferiram palavras de ordem e canções de luta, bem como ergueram suas bandeiras, suas enxadas e foices. Observando a disposição dos acampados, os policiais se apresentaram como sendo da Operação “Paz no Campo”, saíram do local e ficaram de tocaia na esquina que dá acesso ao Acampamento Manoel Ribeiro. 

De acordo com moradores, as viaturas fizeram parada no latifúndio Nossa Senhora e montaram 4 blitz  na  MC01 em que continuaram as arbitrariedades e tentativas de coação da população que vive em torno do acampamento e dos próprios trabalhadores do acampamento. Os moradores denunciam que as abordagens são intimidatórias (filmam, revistam, querem acesso aos celulares) e também já sequestraram, ao menos,  duas motos.

Diante de tudo isso se faz necessário a formação de comitês de auto defesa. A posição dos trabalhadores em não baixar a guarda em relação às ameaças dos policiais é extremamente positiva e deve ser somada a todos que  apoiam o movimento de luta pela terra. Tal situação também chama atenção para a necessidade do fim da Polícia Militar. Instituição que só serve para reprimir o povo e defender os interesses burgueses e, nesse caso em especial, os interesses dos latifundiários.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas