Dissolução da polícia
No Brasil e nos EUA a polícia é uma máquina de guerra contra as populações trabalhadoras, pobres e negras é necessário a luta pela dissolução destes aparatos de guerra lá e aqui.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020.09.04 Polícial reprime violentamente manifestante em Portland-EUA
Durante todo segundo semestre as manifestações contra a polícia americana não cessam | DCO

Novos protestos tomaram as ruas norte americanas contra a violência racial da polícia norte americana. Desta vez manifestantes inundaram as ruas de San Bernardino na Califórnia, um dia após a morte de um homem negro pela polícia.

Dezenas de manifestantes Black Lives Matter se reuniram em frente à loja de bebidas King Tut em San Bernardino na noite de sexta-feira, 23 de outubro para protestar contra a morte de Mark Matthew Bender, um homem negro, que foi baleado e morto lá por um policial um dia antes.

Veja vídeo:

De acordo com o portal de notícias RT: “ As filmagens mostram manifestantes gritando “F ** k the police” e outros slogans em apoio à desapropriação e dissolução da força policial.

“Podemos tirar o dinheiro da polícia! Podemos dissolver a polícia! Podemos abolir a polícia, não precisamos desses filhos da puta, não precisamos deles! ” bradou um orador no comício com uma multidão aplaudindo.

A polícia disse que o incidente se desenrolou quando um policial solitário estava respondendo a uma denúncia de que um homem estava causando estragos no estacionamento da loja de conveniência. A mulher que ligou disse ao 911 que o homem estava armado, “pulando em cima dos carros” e “ficando louco”.

Imagens de câmera de corpo divulgadas pela polícia mostram um policial se aproximando de um homem negro vestindo uma camiseta branca e shorts pretos, que a polícia disse se encaixar na descrição do suspeito. O oficial chama o homem, dizendo-lhe para colocar as mãos no ar para que possa vê-los. Bender grita: “Por que você está com uma arma contra mim?” mas parece obedecer, levantando brevemente as mãos. Momentos depois, o homem aparentemente muda de ideia e abaixa as mãos, enquanto continua caminhando, dizendo ao policial perseguidor “Não me toque”. No momento seguinte, o oficial salta sobre Bender por trás, tentando subjugá-lo enquanto diz a ele para ficar no chão. No confronto seguinte, o suspeito luta contra o policial, sacudindo-o com relativa facilidade.

Outro vídeo divulgado pela polícia parece mostrar Bender pegando algo de sua cintura, provavelmente uma arma. A polícia disse que uma “arma carregada” foi recuperada do local após a briga.”

Veja os vídeos: O primeiro link mostra a abordagem policial, https://www.instagram.com/tv/CGtF9TbFJUG/

No segundo, a reação e a morte do homem negro

 

Este recente caso demonstra mais uma vez que a enorme maioria da população americana quer a dissolução da polícia americana. No caso da morte de Bender, a direita norte americana já se antecipou na defesa da polícia norte americana, justificando que o assassinato se deu em legítima defesa do policial.

 

Frente aos escabrosos abusos da polícia norte americana, às centenas de assassinatos cruéis e covardes da polícia racista dos EUA, qual o negro que em sã consciência deixará se dominar por um policial para uma suposta simples averiguação?

Sabendo que corre o sério risco destes serem seus últimos minuto de vida.

 

No Brasil a mesma situação se repete, com a diferença de que as manifestações contra os abusos e assassinatos da PM, são esparsos e pequenos.

Os números no Brasil não deixam dúvidas de que a situação é mais grave que nos EUA. De acordo com reportagem da Agência Brasil (Setembro de 2019), em 2018, dos 343 policiais civis e militares assassinados, 75% dos casos ocorreram quando estavam fora de serviço, 257 no total e não durante operações da instituição, outros 104 policiais cometeram suicídio e 87 morreram em supostos confrontos,

 

Em contrapartida, nos supostos confrontos entre policiais e supostos bandidos, 6.133 foram os mortos não policiais, uma média de 17 assassinatos por dia. Nos supostos confrontos, entre os “mocinhos”, os policiais, contra os supostos bandidos, pouco mais de 1% foram os policiais, os mortos. Os 99% dos mortos foram gente do povo pobre e trabalhador, em sua maioria jovens e negros. O perfil das vítimas: 99,3% eram homens, quase 78% tinham entre 15 e 29 anos, e 75,4% eram negros.

Os números são acachapantes. Não merece o nome de confrontos. Indicam uma verdadeira guerra, uma operação de extermínio em massa do gente do povo pobre do Brasil.

Tanto nos EUA, como no Brasil a frente de toda essa matança está a Polícia, uma verdadeira organização de extermínio da população trabalhadora, pobre e negra que precisa ser dissolvida por meio da mobilização popular e substituída por policias municipais sob o estrito controle dos trabalhadores por meio de suas organizações operárias e populares.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas