América do Sul
Centenas de manifestantes que marchavam em direção ao palácio La Moneda, sede nacional do governo chileno, experimentaram forte repressão por parte das forças de segurança.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maxresdefault
Violenta repressão política no Chile. | Reprodução.

Nesta sexta-feira (27), centenas de manifestantes que tentavam se aproximar do Palácio de La Moneda, sede do governo chileno, vivenciaram forte repressão por parte da tropa de choque dos Carabineiros. Os protestos exigiam a renúncia do presidente direitista Sebastian Piñera e liberdade imediata para os presos políticos das grandes mobilizações de outubro de 2019.

Os policiais utilizaram jatos de água e bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a mobilização. As forças de repressão também cortaram o trânsito, cercaram a sede governamental e instalaram bloqueios para impedir a manifestação. O metrô da capital informou o fechamento das estações Universidade do Chile e Santa Lúcia, ponto de confronto com as forças de repressão.

Circulou nas redes sociais uma convocação para participar na “Grande Marcha ao La Moneda”. O objetivo era promover uma grande mobilização na capital Santiago em direção ao palácio a partir das 17h.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas