Não poder tossir é demagogia!
Os jogadores são obrigados a voltar a jogar para atender os interesses de uma indústria bilionária que gira em torno do futebol, com nenhuma consideração sobre a saúde dos atletas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
whatsapp-image-2019-10-23-at-10.03.20
Penalidade a quem tossir durante jogo | Reprodução: Futebol na Veia

A International Board (IFAB, na sigla em inglês) aprovou nesta terça-feira (4) uma nova regra que permite a aplicação de cartão amarelo ou até vermelho para o jogador que tossir de forma deliberada na direção de outro atleta ou do árbitro.

A novidade tem como justificativa a pandemia do novo coronavírus e pretende diminuir os riscos de contaminação dentro de campo. A organização é responsável por mudanças ou manutenções nas normas do esporte no mundo todo.

A nova regulamentação é para todos os níveis de jogos. No comunicado divulgado nesta terça-feira (4), a IFAB determina que o árbitro deva julgar se o ato de tossir foi intencional ou não.

Cabe aqui um ditado popular, afinal, é uma lei para inglês ver, uma tentativa de ponderar o injustificável, ou seja, a volta do futebol em plena pandemia, que já matou no mundo mais de 700 mil pessoas.

Assim, por que o futebol volta a ser disputado em plena pandemia? Para atender os interesses das grandes corporações que exploram o esporte mais popular do mundo, um negócio dominado por empresas imperialistas com tentáculos em todo o planeta, as regras paliativas ou os protocolos que não funcionam só tentam esconder o verdadeiro motivo o lucro e ganância dos capitalistas.

O capitalismo tem o poder de apropriar-se, vulgarizar e transformar em mercadoria,  é isso que as grandes corporações estão fazendo com o futebol, a volta dos jogos em plena pandemia é para atender os interesses dos que querem transformar o futebol em mercadoria.

A destruição dos estádios e a construção de arenas que superfaturam os preços dos ingressos excluindo o torcedor pobre, a imposição dos canais de Pay-Per-View, sócio torcedor, horários das partidas de futebol incompatíveis com a realidade do trabalhador e uma grande e intensa campanha contra as torcidas organizadas que são alguns dos principais obstáculo ao caráter popular do esporte, o que contribuem para transformar o futebol em algo para poucos, todo esse combo de exclusão também faz parte da estratégia.

A popularidade do futebol no mundo mais principalmente no Brasil é produto da luta de classes, o futebol no Brasil já foi um esporte de brancos e ricos, foi à imposição e a luta da classe trabalhadora que tornou o futebol o esporte mais popular e vitorioso do país. As torcidas e as organizações políticas e sindicais da classe trabalhadora devem se unificar na defesa do futebol como elemento fundamental da cultura popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas