PM se estrutura cada vez mais
A Polícia Militar de São Paulo irá receber câmeras para serem usadas em suas abordagens, em pleno momento em que ela bate recordes de assassinatos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
CAMERAS-PM-UNIFORME-800x445-1
Imagem da câmera acoplada no colete de um Policial Militar | Foto: Reprodução

A Polícia Militar de São Paulo irá usar, a partir de agosto, câmeras acopladas em seus coletes. Serão 2.000 policiais militares, de três batalhões diferentes da PM (11º e 13º – no centro e 37º – na zona sul), revezando o uso de 500 câmeras, que gravam áudio e vídeo. A meta da PM é equipar todo o efetivo do estado com 15 mil câmeras até 2023.

O equipamento deverá ser ligado pelos próprios policiais quando eles entrarem em alguma ocorrência. A justificativa para o seu uso seria esclarecer melhor os casos de acusação de violência policial, tanto no sentido de provar um eventual abuso do agente quanto de, em outras situações, inocentá-lo e mostrar que o verdadeiro criminoso seria o cidadão assassinado pelo policial.

A introdução das câmeras vem justo no ano em que a PM de São Paulo bate recordes de assassinatos, que estão em um crescimento exponencial desde o golpe de estado de 2016, mas que obtiveram um incentivo importante com a subida da extrema-direita ao poder a partir das eleições de 2018. Porém, é sempre bom lembrar que essa PM assassina é comandada pelo PSDB, partido represente da direita tradicional e que integra a Frente Ampla, dentro da qual estão inclusas também figuras da esquerda como o candidato a prefeito do PSOL, Guilherme Boulos.

Apenas entre janeiro e março, morreram 218 pessoas assassinadas pela Polícia em São Paulo, em uma média de 2,3 mortes por dia. Isso se não levarmos em conta o fato de que esses números são muito subnotificados, pois é conhecida a desonestidade da PM em sua contagem de corpos e em falsificar essas informações.

Relembrar os crimes mais recentes da PM paulista é até difícil, visto que são inúmeros e não param de surgir notícias de novos abusos feitos por seus agentes. Um dos mais absurdos foi o massacre do baile funk em Paraisópolis no final do ano passado, em que a polícia atirou com armas letais contra menores de idade que se divertiam em uma favela de São Paulo e em que 9 desses menores morreram sufocados pelos próprios policiais. Outro abuso mais recente foi o episódio em Parelheiros, no extremo-sul de São Paulo, em que um policial pisoteou o pescoço de uma mulher até quase matá-la.

É importante salientar que qualquer melhoria de equipamentos para a Polícia não deve ser apoiada pela esquerda, visto que ela sempre terá como finalidade um aumento na repressão da população. As câmeras vêm com a falsa possibilidade de gravar os abusos policiais, mas é claro que os abusos irão continuar e as gravações serão simplesmente manipuladas ou serão usadas apenas em casos em que elas comprovarem a versão da polícia. A única palavra de ordem que dá conta de combater os abusos dessa instituição, que se caracteriza como uma verdadeira milícia fascista financiada pelo estado, é pedir a sua total dissolução. Contra os abusos e assassinatos do povo negro e trabalhador, é preciso exigir o fim da PM já!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas