PM do Rio de Janeiro
A ilegalidade e a cólera na ação seletiva da Polícia Militar do Rio de Janeiro provam mais uma vez o teor autoritário do golpe promovido pelo governo Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pm rj
PM-RJ | Foto: Reprodução

A Polícia Militar do Rio de Janeiro vem agredindo de forma sistemática manifestantes de partidos de oposição ao governo Bolsonaro, diferente do tratamento dado aos bolsonaristas. A corporação age com truculência na repressão das massas – manifestantes de oposição são abordados de formas abruptas, são identificados, têm seus mastros quebrados e muitas vezes, intimados e lavados à delegacia, como aconteceu com alguns militantes do PCO, que se manifestavam num ato contra o governo golpista de Bolsonaro, no Rio de Janeiro (21/6) – o argumento usado para o uso excessivo da força é o de evitar atos de vandalismo e antidemocrático durante o período de pandemia do covid-19.

Por outro lado, atos de apoiadores do presidente são considerados inofensivos mesmo contrariando normas mundiais de isolamento social, muitos desses atos ainda são elogiados e apoiados por esses militares, a infundada justificativa da Polícia Militar para sua seletividade é o histórico de “anarquismo” e “confusões” de manifestantes contra o governo, enquanto que protestos bolsonaristas são observados e assegurados pela própria PM. A forma como a Polícia Militar do Rio de Janeiro age é inconstitucional quando trata de dois grupos políticos de formas antagônicas discriminando o lado ideológico de apenas um deles.

Em registros publicados pelo UOL, são reveladas ordens de serviços que mostram o caráter bolsonarista da PM relativo às manifestações ocorridas no Rio de Janeiro desde o dia 18 de abril. A exclusividade de tais agressões cerca atos públicos contra o governo, e atualmente contra manifestações dos entregadores de aplicativos, o grande aparato militar envolve até mesmo o auxílio de batalhões de elite nas ruas durante os protestos.

Atos como – em defesa da democracia convocadas por torcidas organizadas do América e do Flamengo (7/6); contra o presidente Bolsonaro no centro do Rio (13/6) e a Greve dos entregadores de aplicativos (1/7), foram documentados pela PM como possíveis chances de ações de vandalismo, o mesmo não acontece quando mencionam manifestações públicas de caráter bolsonarista. O documento ainda revela o desequilíbrio em recurso militar no andamento das manifestações, o efetivo militar em atos contra o governo são visivelmente mais numerosos. Não por acaso houve um aumento da politização da Polícia Militar, essa onda conservadora de Bolsonaro que legitima a violência elevou o número de agentes candidatos a cargos eletivos para mais de 7.000 entre os anos de 2010 e 2018.

Um exemplo dessa desigualdade nas ações da PM do Rio de Janeiro fica a cargo do comandante Marcelo Moreira Malheiros da Recom (Rondas Especiais e Controles de Multidões), que no dia 31 de maio, em meio à manifestações antifascistas que acabou tomando conta da capital, pediu um reforço no estoque de balas de borracha e bombas de efeito moral – o movimento antifascista esteve à frente de uma série de atos em defesa da democracia por todo o país. Enquanto que em protestos bolsonaristas só é mencionada a possibilidade de confronto quando à chance destes dividirem o mesmo espaço com manifestantes oposicionistas.

A ilegalidade e a cólera na ação excludente da Polícia Militar do Rio de Janeiro provam mais uma vez o teor autoritário do golpe promovido pelo governo Bolsonaro – é importante denunciar prisões e avanços arbitrários realizados pela PM em manifestações públicas contra o fascismo bolsonarista e contra a democracia e, finalmente fazer com que a população se mobilize pelo fim da Polícia Militar e a criação de uma milícia popular vigiada pelo próprio povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas