Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

O desastre ambiental realizado pela mineradora multinacional norueguesa Norsk Hydro, no município de Barcarena, na região metropolitana de Belém do Pará, está revelando o verdadeiro esquadrão da morte formado pela Polícia Militar do Estado para atacar a população pobre do Estado.

Foram relatados desde o início das denúncias diversos casos da Polícia Militar atacando as lideranças e famílias dos associados da Cainquiama (Associação dos Caboclos, Indígenas e Quilombolas da Amazônia). Foras duas residências invadidas por policiais militares, além da sede da associação.

A residência de Maria do Socorro Costa da Silva, líder quilombola da comunidade  Burajuba e presidente da Cainquiama foi  invadida na véspera do Natal pelo tenente Gama, da PM de Barcarena, e mais quatro policiais militares.

Em entrevista, a líder quilombola afirmou que “a nossa luta não vai parar, não tenho rabo preso com a Justiça e com ninguém. O coronel Camarão errou ao mandar invadir minha casa e deve ser responsabilizado por isso. Na verdade, os nossos direitos são aviltados há muitos anos e já fui vítima de tentativa de homicídio e tive minha casa invadida por seis vezes. Minha família está assustada e com medo”.

Outra integrante da Cainquiama, Liduína de Almeida, de 63 anos, também ameaçada de morte, também teve a casa invadida por policiais à paisana após as denuncias contra a Norsk Hydro.

“Na véspera do Natal, policiais militares entraram na minha casa à paisana, eles estavam num carro prata. Eu estava fazendo a carteirinha dos sócios da Cainquiama, quando um deles me encostou na parede e disse que eu deveria parar com meu trabalho. Debochou, botou a mão na cintura para mostrar a arma e depois foi embora no carro prata”, relata Liduína.

O advogado da Cainquiama, Israel Moraes, afirmou que a sede da associação foi invadida por dois seguranças armados da mineradora norueguesa, afirmando serem policiais e procurando documentos e lideranças para ameaçar e aterrorizar.

Está ficando cada vez mais claro que após o golpe de Estado em 2016, as polícias militares controladas pelos golpistas estão formando esquadrões da morte para atacar as lideranças de movimentos sociais e sindicais.

O exemplo mais recente e escancarado é da vereadora do Psol do Rio de Janeiro, Marielle Franco, assassinada por agentes dos órgãos de repressão sob a cobertura da intervenção militar por denunciar as ações da PM e dos interventores.

O Estado do Pará, sob controle do golpista tucano Simão Jatene, dá total cobertura para a ação da PM e nega proteção para as comunidades como foi denunciado pelo advogado da Cainquiama. Todos esses crimes têm que ser colocado na conta dos golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas