Conduta inaceitável
A PM cearense, sob o comando do governador petista Camilo Santana, utiliza da violência para impedir que manifestantes antibolsonaristas realizem ato de protesto em Fortaleza
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
4e9a3704-12745278
A Polícia Militar atuou de forma truculenta para dispersar os manifestantes | Foto: Fábio Lima

É incontestável o crescimento das manifestações de repúdio ao governo fascista em todo o país. No final de semana que se encerrou, mais de 30 cidades em todas as regiões registraram atos de protesto contra a violência policial, a negligência do governo no combate à epidemia do coronavírus e principalmente, os atos colocaram em pauta, de forma vigorosa e contundente, o “Fora Bolsonaro”.

Foram poucas as capitais onde os atos não se realizaram. Dentre estas, merece destaque o ocorrido na capital cearense, Fortaleza. O Estado é governado por um representante da esquerda nacional, o governador Camilo Santana, do Partido dos Trabalhadores. O Ceará é um dos estados que registra o maior número de infectados e mortos pela Covid-19, com 3.188 óbitos e 50.504 casos confirmados.

No domingo, quando muitas cidades do país realizavam atos de protesto contra Bolsonaro, a Polícia Militar cearense interveio para impedir a manifestação que estava marcada para acontecer na Praça Portugal, na capital do Estado, Fortaleza. Em pronunciamento no dia 5 de junho, sexta-feira, o governador Camilo Santana se posicionou contra os atos, declarando “que, apesar de ‘apoiar o engajamento de brasileiros em defesa da democracia’, não pode deixar de ser ‘absolutamente contra a realização de quaisquer atos nas ruas neste momento grave de pandemia’. “Destacou ainda que vigora no Estado decreto que proíbe a aglomeração de pessoas” (O Povo, 7/6).

A PM cearense, sob o comando do governador petista, agiu com a habitual violência, da mesma forma como atua em todo o país, em particular nos estados governados por representantes da direita, como João Dória (SP) e Wilson Witzel (RJ). Na operação de dispersão dos manifestantes, foram realizadas prisões, com 7 manifestantes sendo conduzidos à delegacia, onde foram autuados.

A conduta do governador Camilo Santana, sob todos os aspectos, é absolutamente inaceitável e merece a condenação por parte de todo o movimento de luta dos trabalhadores. Em nota, a CUT estadual protestou contra a intervenção truculenta e arbitrária da PM cearense contra manifestantes que se preparavam para a realização de um ato pacífico.

Não é admissível e muito menos aceitável que em um Estado governado por um representante da esquerda, eleito pelo do PT, partido que vem apoiando os atos em todo o país, utilize o aparato repressivo para impedir a mobilização e a livre manifestação de trabalhadores e populares. É dever da esquerda e seus representantes apoiar a luta da população pobre e explorada em defesa das suas reivindicações. Particularmente neste momento, onde os diversos movimentos de luta em todo o país retomam o protagonismo das ruas, não é cabível a atitude do governador cearense, que deveria estar agindo exatamente no sentido contrário, apoiando e garantindo a realização de manifestações e atos de protesto contra o governo fascista, de extrema direita.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas