Não ao ataque fascista à LCP
Governador de Rondônia, o fascista Coronel Marcos Rocha (PSL), com apoio de Jair Bolsonaro, isolou mais de 600 famílias que passam fome e estão emboscadas por cerco policial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
LCP
Trabalhadores, homens, mulheres e crianças cercados pela PM de governador bolsonarista | Rprodução

Em Porto Velho, o governador de Rondônia, o fascista Coronel Marcos Rocha (PSL), enviou mais de cem policiais para impor a reintegração de posse do Acampamento Tiago dos Santos, área de interesse do grande latifundiário da região Antonio Martins, considerado também o maior grileiro de Rondônia.

Mais de 600 famílias se encontram cercadas pela Polícia Militar e impedidas de receber alimentos.. A Polícia Militar está cercando o acampamento e impedindo a entrada de alimentos no acampamento onde vivem 600 famílias, cerca de 2 mil pessoas, entre homens, mulheres e crianças, uma verdadeira estratégia fascista para impor o abandono da região pelos trabalhadores sem terra.

Para justificar a repressão o governador e a PM, “criaram” o  álibi em que alegam que o assassinato de dois policiais militares e outros quatro que ficaram feridos seriam de autoria dos trabalhadores sem terra, o que é repudiado enfaticamente pelos integrantes do acampamento. Para isso, receberam inclusive o apoio do presidente fascista Jair Bolsonaro que na manhã da segunda-feira, 4/10, publicou em suas redes sociais um vídeo onde policiais são expulsos de um acampamento por camponeses da LCP após tentarem intimidar as famílias sem ordem judicial. Finalizando o vídeo com a indagação, “Eu tenho a minha opinião, qual é a sua?”.

É fato que a  opinião de Bolsonaro é a defesa da aniquilação dos trabalhadores sem terra e  seu apoio incondicional aos empresários da cidade e do campo com a destinação de milhões de reais em apoio financeiro à repressão, como vemos em Rondônia e por todo o país.

A Liga dos Camponeses Pobres (LCP) afirma que a morte foi em decorrência de conflitos e acerto de contas entre grupos de policiais, pistoleiros, políticos e latifundiários grileiros da região e o governador bolsonarista, Coronel Marcos Rocha, que  se utilizam dos assassinatos de policiais para atacar os trabalhadores sem terra e justificar a expulsão de mais de 600 famílias do local.

É necessário a ampla denúncia, o repúdio da classe trabalhadora, nacional e internacionalmente contra o ataque aos trabalhadores e aos métodos de guerra fascista usados, assim como o apoio incondicional à luta dos trabalhadores sem terra, do Acampamento Tiago dos Santos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas