PM assassina de Alckimin “mira na cabeça e atira pra matar”

pm

Recentemente foi divulgado um vídeo de um treinamento da Polícia Militar, em Santos, no Estado de São Paulo, em que cerca de 60 PMs foram vistos correndo e cantando um grito que dizia “eu miro na cabeça e atiro para matar. Se munição eu não tiver, pancadaria vai rolar”, demonstrando o verdadeiro caráter da instituição que mais mata no mundo todo.

https://youtu.be/sQC4thhHnvU

A Polícia Militar no geral, mas ainda mais no Estado de São Paulo, de Geraldo Alckimin, é um verdadeiro órgão de repressão contra a população, pobre, preta e trabalhadora. Isso revela a demagogia da campanha do candidato a presidente, Alckimin, que para se “contrapor” a Bolsonaro, o candidato espantalho da burguesia, lançou o lema de que “as coisas não se resolve na bala”, apesar de sempre ter sido o governado do terrorismo de estado.

A Polícia do Estado de São Paulo é uma das mais carniceiras do mundo. O tratamento da Polícia militar paulista é comparável com a atitude dos nazistas e dos fascistas italianos e espanhóis contra a população; uma violência extremamente brutal contra um povo totalmente desarmado.

O grito da PM apenas demonstra a necessidade de armar a população e constituir comitês de auto-defesa para se defender da brutalidade policial e da extrema-direita, que a burguesia estimula para reprimir a classe operária e os setores progressistas.