Ataque à arte independente
NegoVila Madalena, artista plástico independente, foi morto por um policial militar a paisana no bairro de Pinheiros. Artistas se organizam em protesto no Beco do Batman.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nego (1)
Protesto dos artistas contra o assassinato de NegoVila e contra a violência policial | Foto: Reprodução/Projeto Solos

Na madrugada desse último sábado, dia 28 de novembro, o artista independente NegoVila Madalena foi morto a tiros por um policial a paisana que estava embriagado ao apartar uma briga. O confronto que ocorreu em Pinheiros, bairro nobre da Zona Oeste, entre o policial e o amigo de NegoVIla resultou em dos disparos que atingiram o grafiteiro. A secretária de Segurança Pública do Estado, órgão que é responsável pelas ações da PM em SP, se pronunciou ao somente afirmar a prisão em flagrante do policial militar responsável pelo homicídio e que o caso será investigado pelo Inquérito da Polícia Militar e pelo décimo quarto departamento de polícia em Pinheiros.

No dia seguinte, artistas independente da Vila Madalena, também na Zona Oeste da capital, reuniram-se para modificar o Beco do Batman, um conjunto de vielas da região cujos muros servem de objeto de exposição para uma grande diversidade artística. A tinta preta cobriu as obras coloridas em tom de protesto pela morte do artista negro querido da comunidade. Posteriormente, mensagens de protesto contra a violência policial aos artistas e ao povo negro foram escritas nos muros. A ação mostra o descontentamento e a revolta da população e dos artistas com a polícia militar.

Não é a primeira vez que a polícia militar está envolvida na morte da população pobre e preta, pelo contrário, todos os dias observamos exemplos de violência policial que terminam em morte. Nesse sentido está também a repressão aos artistas independentes e à população. Toda essa violência que busca reprimir a expressão da população, seja em forma de arte nas ruas, seja através dos meios que a população pobre encontra para sobreviver. A posição da polícia militar é contra a arte, contra o povo, contra qualquer tipo de expressão genuína do povo e, por isso, deve ser combatida. A população deve ter o direito a sua livre expressão, assim como os artistas.

A iniciativa dos artistas de colocarem seu espaço de exposição nas ruas para fazer o protesto contra a morte de NegoVila e contra a violência policial deve ser entendida na situação atual do combate ao fascismo e à repressão e violência da direita contra a população, e portanto, deve ser vista com bons olhos e apoiada. A ação também mostra a tendência a reunião dos artistas independentes em grupos de oposição ao fascismo e à direita. Obviamente, outras ações como essa devem ser desenvolvidas pelos artistas para lutar pelo direito aos seus meios de sobrevivência, de livre expressão e produção artística. Para isso, é preciso reunir os artistas independentes em um grupo que possa lutar pela arte independente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas