Plenária nacional dos comitês contra o golpe aprovou plano de lutas no 1º de Maio em Curitiba

05304cfd-87c2-4c11-bfa9-1995cc6d97b7

A plenária dos comitês contra o golpe, ocorrida no 1° de maio em Curitiba, reunião cerca de 130 comitês de todo o País. A reunião iniciou-se com a introdução do companheiro Antônio Carlos Silva, da direção nacional do PCO. Ele destacou a importância do movimento na luta contra o golpe, bem como a ilusão de se acreditar nas instituições judiciárias do Brasil no que diz respeito à libertação de Lula. É preciso, pois, organizar uma mobilização de massas, mediante a criação de mais comitês, para enfrentar os golpistas de toga e de farda. Também ressaltou que a campanha eleitoral, sem a presença de Lula, é uma fraude, daí a ilusão de se acreditar no processo das eleições.

Em seguida falou o companheiro Nivaldo Orlandi, do comitê de Embu das Artes, elevando o moral da tropa. Também falou o companheiro Renan Arruda do comitê do Distrito Federal, um dos primeiros a serem criados. Seguiu-se as falas dos companheiros Ednelson, do comitê do ABC paulista, Ariele, do comitê Lula Livre da PUC/RS, Renato Machado, da Frente Brasil Popular da Bahia, Joaquim, do PT de Brasília, Tupã, liderança indígena contra o golpe, e muitos outros participantes de diferentes segmentos populares.

Rui Costa Pimenta, presidente nacional do PCO, também interveio na plenária chamando a atenção para a necessidade de criar comitês de autodefesa contra o avanço do fascismo.

O ânimo dos participantes para a luta contra o golpe foi sentido por todos os presentes. Cumpre destacar a presença de diversos representantes populares no engajamento da luta contra o golpe. Destarte, é necessário manter o crescimento dos comitês contra o golpe, especialmente diante da política confusa das principais lideranças da esquerda na libertação do ex-presidente Lula.