Siga o DCO nas redes sociais

Polêmica com o Movimento Negro
Plano identitário contra racismo e Covid: ficar a reboque da burguesia
Financiamento da burguesia não é plano de luta do povo negro.
cotas racismo negros
Polêmica com o Movimento Negro
Plano identitário contra racismo e Covid: ficar a reboque da burguesia
Financiamento da burguesia não é plano de luta do povo negro.
Os negros precisam organizar um grande movimento que se oponha ao regime político golpista.
cotas racismo negros
Os negros precisam organizar um grande movimento que se oponha ao regime político golpista.

Os negros no país compõem 56% da população, 75% entre os mais pobres, 28% entre ricos, segundo pesquisa de 2018 do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE).

Diante da epidemia mundial da crise do coronavírus e sem deixar de mencionar a crise do capitalismo que se desgasta desde a última recessão de 2008 e promete uma por vir ainda pior que a de 1929.

Todos esses fatores fazem com que a população negra se encontre ainda mais vulnerável nesta situação. Em meio ao caos da crise, muitos setores da esquerda burguesa e pequeno-burguesa encontram dificuldades para formular propostas de luta.

É o caso do Grupo Temático Racismo e Saúde (GT Racismo/Abrasco) que destacou 12 pontos para reduzir impactos negativos da covid-19 em grupos vulnerabilizados. Entre as propostas, destacamos algumas que chamam a atenção:

1. Estabelecer um novo pacto social no qual TODAS AS PESSOAS possam viver com dignidade;

2. Reconhecer a importância e a necessidade do SUS para contenção da Covid-19;

3. Aportar recursos para o pleno funcionamento do SUS, em todas as suas instâncias de formulação, planejamento e gestão de políticas, financiamento, regulação, coordenação, controle e avaliação (do sistema/redes e dos prestadores, públicos ou privados) e prestação direta de serviços;

Primeiramente, é preciso explicar que não existe pacto social no capitalismo.

Leia Também  Adolescente desaparecido foi morto por 17 policiais militares

Para que toda a população possa viver com dignidade, somente com a queda do atual regime de exploração.

Da mesma forma, não há como falar em fortalecer o SUS sem um plano de estatização total do sistema de saúde. Os capitalistas não vão abrir o bolso pra ajudar o povo, não adianta ter ilusões.

Nesse sentido, também destacamos a ingenuidade do seguinte ponto:

12. Convocar e engajar instituições e pessoas de alta renda, para financiar ações de curto, médio e longo prazos voltados para estes grupos.

O que chama mais a atenção é esta: o financiamento da burguesia aos negros. É o que querem os identitários. Ou seja, querem que o movimento negro e a população negra fique à reboque da burguesia, sem nenhuma independência, justamente a reboque daqueles que sempre o exploraram e continuarão explorando.

Para que o povo negro não seja ainda mais massacrado e tenha suas reivindicações atendidas, é preciso organizar um grande movimento que se oponha ao regime político golpista.

É preciso, portanto, derrubar Bolsonaro, anular todos os retrocessos que vêm ocorrendo desde 2016 e novas eleições.

 



Share via
Copy link